Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

22
Dez19

Os planos falham, mas a mudança do ano não

alex

Não fugi. Nem me escondi. Nem vos abandonei. Talvez me tenha abandonado um pouco a mim, mas enfim.

O mês de Dezembro trouxe muitas emoções. Reflexões. No início de 2019 eu tinha todas as certezas do mundo. Tinha um plano. Eu tenho sempre um plano. Gosto de me gabar, de dizer que sou impulsiva. Um dia não tenho franja, no outro decido cortá-la. Vou dormir com seis piercings, no dia a seguir acordo e decido ir fazer um sétimo. Quero cabelo preto, então pinto, depois quero cor de vinho, e pinto. Quero-o loiro...hesito. Não pinto.

Não sou impulsiva. Não sou destemida. Não sou. Sou boa a fingir que o sou. Isso sim.

Eu tinha um plano. Tenho sempre de ter um plano. Ter planos evita surpresas e God, como eu odeio surpresas. Odeio não saber. Tenho de saber, sempre, tudo. Como é que se chama aquele actor, daquele filme? Vou procurar. Como é que se faz um cachecol em malha? Vou já pedir à minha avó para me ensinar. O que são estas dores chata e anormais nesta zona do meu corpo? Vou já ao médico descobrir. Eu necessito de saber, e se calhar é por isso que uma vez, na universidade, o meu professor de Long Form Journalism me disse:

"You don't want to become a Journalist. You have to be one Alex. Because you don't just write stories, make things up as you go and wish for the editor, the teacher, to eat your bullshit up. You do research, you care, you look it up one, two, three times. You don't just ask questions, you seek for the answers like an annoying three year old toddler who keeps asking why, why, why. You don't want to be a journalist, because you already are one."

Não lhe dei razão. Ainda hoje não dou. Sou longe de ser jornalista. Desconfio que algum dia o venha a ser. Não o quero ser. Mas eu tinha um plano. Eu tinha um plano para 2019. Para mim.

Faltam exactamente nove dias para 2019 terminar. Eu tinha um plano e o mesmo falhou. Por completo. Foi um completo desastre. Não o meu ano, esse não foi mau. Mas também não foi bom. Foi duro. Foi melhor que 2017, pois creio que nenhum ano possa vir a ser tão mau quanto esse foi. Foi pior que 2018 porque em 2018 fui muito feliz. 2019 não era para ser o pior ano, ou o melhor ano, ou o ano feliz. Era para ser o ano do Plano. E o Plano...falhou.

E não tenho escrito nestas últimas semanas porque, o que tenho feito nestas últimas semanas é tentado digerir esse facto. O facto de que o meu Plano falhou, de que eu falhei. E eu não falho. Os meus planos nunca falham. Nunca. Talvez nem sempre corram tão bem como eu esperava, talvez deixe umas pontas soltas aqui e ali...mas nunca falham. E foi logo este ano que falhou. Que eu falhei.

E podem perguntar-se vocês...Não era o plano regressar a Portugal? E não regressei? O Plano não era regressar. Eu regressei, de facto. Mas trouxe muita coisa comigo. Demasiada coisa. Muita mágoa, muito rancor, muitos medos, muitas cicatrizes, muitas dúvidas, muitos traumas. Muita bagagem. Mais do que as seis caixas e as três malas cheias. Muito mais.

Eu regressei mas ainda não estou cá. Não sei se alguma vez estarei. Eu fui e vim, demasiadas vezes. Sempre com planos, sempre com certezas, de algo, por mais pequeno que fosse...algo. Tenho estado muito tempo sozinha, a pensar. Só a pensar. Na primeira semana deste ano, passada no hospital, sozinha, assustada, pequena. Tão pequena, naquela cama de hospital longe de tudo e de todos, com medo de tudo e de todos. Com dores nos ovários. Com dores na alma. No coração.

Fiz um plano. Tinha tudo pensado. Vai acontecer assim e assado. Deu tudo errado. Tudo. E o texto já vai muito longo, e o que deu errado vocês provavelmente leram aqui e o que não leram não vale a pena eu agora estar a contar. Agora, com o ano quase a terminar, voltei ao hospital, outro, não por causa de mim. Caminhei pelos corredores de um hospital no meu país, como visitante. Vi as enfermeiras caminhar à minha frente, a discutirem as suas vidas pessoais. Vi a senhora das refeições entrar no quarto onde estava a pessoa que fui visitar e distribuir iogurtes. Aqui come-se iogurtes. Lembro-me de me terem oferecido chá com leite quando fui eu. Sorri. Senti-me como uma estrangeira. Eu não como iogurtes. Também não bebo chá com leite.

Comecei 2019 no hospital, por mim, com um plano. Se bem que o ano ainda não acabou, e a pessoa felizmente já não está no hospital, é muito estranho como este ano se fecha assim, quase como num círculo perfeito. É irónico. Termino com um plano falhado. Com menos uma casa. Menos uns amigos. Com mais uns cortes no coração e uns pedaços da minha alma deixados ao vento. Contudo, termino este ano com os meus. Os que não me falham. Porque os planos falham e as pessoas também nos falham, mas há sempre os que não. Os que não nos falham.

O ano passado, sentada no chão a comer restos de pizza ressabiada na véspera de natal, completamente sozinha enquanto todos os que eu conhecia se sentavam à volta da mesa para comer o bacalhau, eu chorei. Chorei e comi por entre as lágrimas, porque mesmo quando temos de chorar, temos de comer. Em 2018 não tinha planos, e fui muito feliz. Mas fui muito miserável. Vejo agora. Porque este ano não vou comer restos de pizza. Porque este ano vou sentar-me à mesa e comer bacalhau. Comer rabanadas. Jogar monopólio e às cartas. Vou dar prendas e abri-las e nos entrentantos vou chorar. Vou chorar pela menina que chorou sozinha no Natal passado, e pela menina que chorou sozinha no hospital este ano. Vou chorar pela menina de 2019, cujo plano falhou e depois? Depois, porque me está no sangue, vou limpar as lágrimas e vou planear o meu 2020.

Um feliz Natal a todos os que chegaram ao final deste texto. Um obrigada por estarem desse lado, ao fim de todos estes anos. Sejam felizes. Nem que seja só por um segundo, por um minuto, por um dia, enquanto comem filhoses, ou restos de pizza sozinhos. Não vos escreverei até para o ano, provavelmente. Quero aproveitar bem este Natal. Este ano não faço um texto a dizer o que quero que seja 2020. Este ano escrevo-vos este texto. Grande, confuso, all over the place. Falhado. Porque foi assim que foi o meu 2019. E em 2020 regresso, com ou sem plano. Provavelmente com, porque me está no sangue.

Um feliz Natal e um bom ano novo.

03
Nov19

Um mundo de Jokers (?)

alex

Esta semana que passou, fui ao cinema ver o Joker. Um filme que foi muito falado ainda antes de chegar às salas de cinema, nem sempre pelas melhores razões. Muitos críticos saíram do filme a dizer que o mesmo poderia incentivar a violência e as revoltas. Foi um filme cujas críticas feitas podem ser comparadas às críticas que são, muitas vezes, feitas a vídeo jogos de natureza um pouco mais violenta. 

Não estava a planear escrever sobre o assunto, pois pode levar a muita discussão e é um tema de facto complicado sobre o qual escrever, pelo menos para mim. Mas após uma conversa longa com uma amiga sobre o assunto, senti que tinha de o fazer. No meu entender, este filme não tem cariz político, como muitos dizem, não incentiva à violência e não incentiva à revolta. Eu acho que o filme retrata, e muito bem, o que é viver com um distúrbio mental e como as pessoas que sofrem do mesmo são, por norma, tratadas pela sociedade em si. Eu acho que o foco é esse e se não é, deveria ser. O resto vem por acrescento.

A verdade é que os distúrbios mentais, ainda hoje, não são tratados como deviam ser. São muitas vezes descorados e arrebatados para o fim da lista de doenças com as quais nos preocupar ou às quais dar a devida atenção. Não é por falta de dados, números, estudos ou percentagens. É por falta de humanidade. Do mais básico dos básicos.

Humanidade.

Politiquices de lado, "mob mentality" de lado também, eu penso que este filme apela à humanidade das pessoas. Aqui temos, uma personagem, que no papel não passa disso, que sofre de problemas mentais graves e que é tratado abaixo de humano. Abaixo de tudo, muito sinceramente. E o Joker é apenas uma personagem, mas existem muitos Jokers reais, de carne osso, pelo mundo fora. Claro que nada desculpa o tirar de outras vidas. A violência. Mas é um facto que ninguém pode negar, o de que estas doenças são descuradas, muitas vezes mal diagnosticadas porque tudo é catalogado como uma ligeira ansiedade que passa se lhe passarmos uns anti-depressivos dose de cavalo; estas pessoas tratadas como o lixo da sociedade. 

Não acho que a intenção seja revoltar ninguém com este filme, com esta história. Não penso que a intenção seja a de incentivar a violência ou a de começar uma revolta política. A arte é subjectiva, pode ser interpretada de várias formas. Esta é só mais uma dessas instâncias. A minha interpretação, é esta. Temos de nos importar mais. Temos de ser mais humanos. Agora mais do que nunca, num momento da história do mundo em que tudo é razão para julgarmos, para atirarmos pedras. Nos dias de hoje, já não há debate, não há discussão. Há uma imensa agressividade que vem de todos os lados, cuspida em conversas que ao fim do dia têm apenas como objectivo ajudar aqueles que não precisam de ser ajudados. Num mundo onde queremos que seja o nosso ideal, o nosso partido político, a nossa vida o melhor, o maior, o mais importante.

E ao fim do dia, esquecemos-nos do que é realmente importante. As pessoas. Serem tratadas como tal. Como seres humanos. Somos tratados como peões de um imenso jogo de xadrez que só terá um fim, esse inevitável - a morte. 

Uma reflexão de quem viu o Joker com os olhos de um ser humano que sofre, também ela, de problemas mentais. Que pôs de parte os seus ideais, políticos, éticos, o que seja...e que viu representado no grande ecrã aquilo que a maioria teima em não querer ver.

Só precisamos todos de ser um bocadinho mais humanos. É só.

31
Out19

Uma pessoa amada

alex

Eu vou saltando uns dias e vou mudando os temas que correspondem aos dias...bom, faço este desafio à minha maneira, pois não há outra. Este devia ter sido escrito ontem mas foi um dia de correrias, contudo, este era um que não queria saltar.

Uma pessoa amada. Eu amo poucos. E por vezes, até esses chego a questionar se amo. Contudo, acho que a pessoa que mais me custa a amar, desde que tenho memória, desde que sou gente...sou eu própria.

Amor próprio, penso eu, é o tipo de amor mais difícil de se conseguir. Amar os outros pode ser complicado e pode vir com muitas adversidades, mas amar-nos a nós próprios é das coisas mais difíceis que existem. Durante anos, enquanto crescia, odiava-me. Odiava o meu corpo, odiava a minha mente, odiava a minha personalidade. 

Quando era mais nova era rechonchuda. Depois era demasiado "maria-rapaz" (coloco este termo entre parêntesis porque não gosto dele e não o acho de todo correcto, mas, à falta de melhor descritivo, fica). Depois era demasiado feminina. Agora, demasiado butch. Era tímida, "pão sem sal", ansiosa, depressiva... a lista é interminável. Durante anos e anos travo esta luta que é a luta do amor próprio. Vem com a idade, dizia-me a maioria das pessoas a quem eu questionava o porquê de não me conseguir amar. Quando somos pequenos não temos o nosso cérebro totalmente desenvolvido, quando somos adolescentes somos atingidos por tudo quanto é julgamento dos outros que influencia o nosso, em relação a nós próprios, e quando chegamos à idade que tenho hoje...Bom, já aprendemos uma coisa ou outra mas continuamos a tentar. Eu continuo a tentar amar-me, contudo ultimamente, tenho falhado. 

A pessoa que mais devemos amar neste mundo, acima de tudo e de todos, acima do pai, da mãe, da avó, da pessoa com quem temos uma relação amorosa, do periquito e do cão...essa pessoa somos nós. Temos, cada vez mais, de saber amar-nos a nós próprios porque este mundo está cheio de pessoas que não gostam ou não vão gostar de nós. E essas pessoas, por norma, não têm problema em o dizer. Em apontar os nossos defeitos, em meter o dedo na ferida e fazer doer ainda mais. 

Como o fazer...isso é que é a parte mais complicada. Eu ainda estou a aprender. Mas tudo conta. Sabermos aceitar quem somos, da forma como somos, com os erros que cometemos e com os que ainda vamos cometer. Com o passado embaraçoso, com os pensamentos negativos, com a ansiedade nervosa ou com outro problema qualquer que tenhamos. Falo de mim, claro, mas para vocês. Porque o amor tem de começar e acabar em nós. Este mundo, cada vez mais, precisa de amor. Mas para o darmos, precisamos de o saber dar e receber de nós próprios. 

Não tenho uma solução mágica para tal. Como disse, todos os dias é algo com o qual ainda me batalho. Mas acho que me aceito muito mais hoje do que aceitava há 10 anos atrás. E se eu pudesse voltar atrás no tempo e dizer à menina de 13 anos que a amo muito, que ela é a minha pessoa mais amada, voltava e dizia-lhe.

Como tal, tenho também de dizer à jovem de 23 de hoje que a amo. Às vezes mais, outras vezes menos, outras vezes até mesmo não amando de todo mas tentando, sempre. Sou a minha pessoa amada.

29
Out19

Um momento de coragem

alex

Acho que tive vários momentos de coragem ao longo dos últimos anos. Muitos deles já aqui falei sobre eles, por isso torna-se difícil escrever um texto dedicado a tal.

Acho que ultimamente me falta essa coragem. A que tive em várias ocasiões, ao longo dos últimos anos da minha vida. Fui corajosa quando fui para Londres, fui corajosa quando me mantive lá apesar de todas as células do meu corpo me dizerem para desistir e voltar, fui corajosa quando por fim, na altura que achei que devia regressar, regressei...e agora penso que não sou mais corajosa.

Porque fui muito pisada pela vida, sabem? Fui muito magoada, e então, com o passar do tempo, a minha coragem, que eu considerava muito minha, foi desaparecendo. Ou talvez esteja só e apenas adormecida. Hoje em dia nem coragem para ter coragem eu tenho. 

Mas será que só os momentos grandes de coragem é que contam? Será que só se é corajoso quando mudamos de país, de vida, ou quando fazemos algo considerado de grande escala? Cada vez mais me questiono sobre isto. E cada vez mais chego à conclusão de que não. Actos de coragem existem em tudo o que nós fazemos, até no nosso dia-a-dia. É um momento de coragem eu levantar-me da cama todos os dias, apesar de não ter nada para fazer. É um momento de coragem eu decidir focar-me de novo na minha escrita e participar neste desafio dos 30 dias. É um momento de coragem quando aceitamos ir a uma entrevista de trabalho, que não é na nossa área, mesmo sabendo que merecemos é uma entrevista na nossa área. É um momento de coragem procurar de novo essa coragem que julgamos perdida ou adormecida.

O meu momento de coragem é esse. É encontrar a minha coragem.

16
Jan19

Eu sei que estou (muito) atrasada mas...

alex

2018 foi e 2019 veio e eu permaneci afastada do blog. Afastada da escrita no geral. Acho que ainda antes de 2018 ter terminado, escrevi tantos textos sobre o mesmo e sobre o tanto que o ano me deu que achei sem sentido escrever mais um a reflectir sobre o ano que tive. Ao longo do ano fartei-me de escrever por aqui o quão feliz fui em 2018. O peso que eu carreguei aos ombros no ano de 2017 foi-me completamente retirado de cima em 2018 e vivi um dos melhores anos desde que me mudei para Inglaterra. 

2019 vai ser diferente, em muitos aspectos. Se 2018 foi um ano de encerrar capítulos, adoptar uma nova forma de estar na vida, aproveitar a vida um bocadinho mais e não me preocupar tanto com o futuro, 2019 será diferente. Neste ano não só vou encerrar um dos maiores e mais desafiantes capítulos da minha vida, como vou iniciar um dos mais desafiantes e assustadores. Este ano há que planear, há que poupar dinheiro, há que gerir todo o meu tempo. Vou ter de fazer listas, coisa que não faço nunca, vou ter de marcar as minhas férias todas até às ultimas horas disponíveis, coisa que nunca faço pois normalmente tenho um ano inteiro para ir tirando férias aqui e ali. Contudo quero muito que este não seja um ano triste só porque tudo vai mudar na minha vida e nas vidas das pessoas com quem moro e que, de certa forma, se tornaram família para mim. Quero que seja um ano alegre e relaxado, onde aproveitamos os últimos meses como se no final de Agosto não vá tudo chegar ao fim. Quero partir com boas memórias e sem arrependimentos. Quero fazer, visitar, comer e ver tudo aquilo que ainda não pude fazer, visitar, comer e ver desde que me mudei para cá. Quero ir a mais concertos e esquecer o mundo cá fora durante umas horas. Quero passar o meu aniversário aqui, pela última vez. Acima de tudo, quero ser feliz em 2019, contra todas as dificuldades ou obstáculos que possam surgir pelo caminho. 

A data de regresso está definida. Mais do que triste ou assustada ou desiludida, estou feliz. Estou de consciência tranquila. Abandonar o nosso país nunca é uma escolha fácil, mas escolher voltar para ele também não é. Talvez até seja mais difícil. Porque é que havia de me ir embora agora, que tenho um emprego que me paga muito bem, comparado com o que poderei vir a ganhar em Portugal? Porque é que havia de me ir embora agora, que estou finalmente feliz comigo mesma? Porque é que haveria de querer voltar para casa dos meus pais com 23 anos, depois de ter vivido quatro anos sozinha?

Porque a vida é mais do que trabalho. Mais do que dinheiro. Mais do que ter de engolir um pouco o nosso orgulho ao voltar para a casa dos pais. Mais do que as vozes que me dizem, uma vez mais, que sou parva e que estou a fazer a escolha errada. Tal e qual como ouvi há quatro anos atrás.

"És doida, és parva, vais falhar, vais voltar a meio, não vais aguentar. Não gostas do teu país. Olha também, não te queremos cá." Há quatro anos atrás foi isto que ouvi.

"És parva, estás louca! Vais para o desemprego! Não vais ter futuro! Ganhas tanto dinheiro aqui, vais fazer o quê para Portugal? Vais-te arrepender! Dou-te no máximo um mês até te começares a arrepender... Vais voltar a viver com os teus pais e a tua irmã depois deste tempo todo? Não vais conseguir!" Quatro anos depois é isto que ouço.

E se há quatro anos atrás respondi a todas as críticas e palavras de desencorajamento com um sorriso na cara ao entrar no avião que me trouxe até cá, vou responder a todas as críticas de agora com o mesmo sorriso na cara e a pôr-me num avião no final do mês de Agosto para, sim!, voltar a Portugal. Para sempre, durante um mês, durante um ano, durante dois...Não sei.

Mas sei que, ao final do dia, ninguém vive a minha vida por mim e a única pessoa a quem tenho de me manter fiel até ao fim, sou eu. Até lá, há muito para fazer. Muito para viver ainda. Sete meses que quero que sejam inesquecíveis, onde nada fique por dizer ou por fazer.

E para quem ainda se encontra do outro lado do ecrã a ler os meus esporádicos textos no blog...só espero que também nunca deixem de ser fiéis a vocês próprios. Se houve algo que 2017 e 2018 me ensinaram foi que quem não deve não teme. 

Eu não tenho nada a temer. E espero que vocês também não. 

Bom ano de 2019!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D