Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

11
Jun18

O amor à escrita (ou a falta dele)


alex

Penso que vos escrevo pela primeira vez em quatro meses, se as minhas contas estiverem correctas. Acho que esta foi a primeira vez que passei tanto tempo, pelo menos seguido, sem sequer pensar no blog, quanto mais escrever nele.

A minha relação com a escrita, ao longo dos últimos três anos, mudou imenso. Antes de mudar de país e antes de estudar Escrita Criativa, o meu amor pelas letras era tanto que, por vezes, não cabia na página. Era o meu refúgio, este blog. Escrever trazia-me conforto e ler os vossos comentários, muitos ou poucos, trazia-me uma sensação de paz à alma que ainda hoje, não consigo explicar. Não me lembro ao certo quando é que este amor pela escrita começou, mas já lá vão muitos anos, isso sei. Nas relações, sejam elas amorosas ou outro tipo qualquer, há sempre altos e baixos. Por vezes, se a relação já dura à muito tempo, podemos chegar a uma altura em que começamos a sentir que talvez o amor esteja a desaparecer. Se calhar encontrámos algo novo ao qual amar, ou então, pura e simplesmente, a relação já não funciona. A minha relação com a escrita é um bocado assim...especialmente nestes últimos três anos, o meu amor pela escrita mudou. Não consigo ainda dizer; admitir que desvaneceu, então prefiro dizer que mudou; alterou-se. Deixou de ser um amor e passou a ser uma obrigação, quase. Algo que eu antes fazia com prazer, sem pensar duas ou três ou quatro vezes antes de o fazer, tornou-se numa tarefa penosa e que me trouxe muitas dores de cabeça.

Uma pessoa minha amiga, que canta e toca e é super talentosa, disse-me agora à pouco tempo que quando as pessoas criativas são limitadas e obrigadas a dirigir a sua criatividade exclusivamente para o seu curso, que isso suga a criatividade toda delas e, por consequente, o amor que elas tinham à sua arte. Esta minha amiga desistiu do curso de música no final do primeiro ano dela. Acabou agora de gravar o seu primeiro EP com artistas britânicos de renome e escreve, todos os dias, canções para o futuro. Eu acabei este ano o meu curso de Escrita Criativa e Jornalismo e sinto-me...vazia. Vazia daquela paixão, daquela garra, daquela vontade que eu tinha há anos atrás. Escrever tornou-se numa tarefa penosa, como já disse, e agora associada a ela estão medos e inseguranças e até traumas que eu não tinha antes de fazer o meu curso.

Não consigo afirmar que já não gosto de escrever. Mas a verdade é que já não o faço. Já não escrevo e já não quero escrever mais. Durante estes três anos escrevi tanto...e no entanto é como se não tivesse escrito nada. Tenho tanto guardado dentro de mim mas já não tenho forma de o expressar. Nunca me considerei uma bela escritora, poetisa, J.K. Rowling...mas tinha amor à minha arte e não tinha receio dela. Agora tenho um medo de escrever que nem vos conto. Escrever este texto está a ser muito complicado...as minhas mãos tremem, a minha mente está cheia de coisas por dizer, coisas por explicar, novidades para contar... e no entanto tenho um nó na garganta e os olhos a arder. 

Não conseguem acreditar? Eu também não... Sempre pensei que o amor da minha vida era a escrita. Lembro-me de o dizer e de o escrever vezes sem conta. Não sei quando é que as coisas mudaram. Mas mudaram e não sei como recuperar aquilo que fui perdendo, pouco a pouco, ao longo destes anos. Ter feito este curso destruiu-me. Não só como escritora, mas também como pessoa. Não trago nada de bom dele. Custa admitir esta merda, depois de três anos passados a estudar, três anos que me trouxeram uma dívida enorme para a vida inteira. Custa mesmo. Mas a verdade está aqui, agora, para quem ainda estiver ai, do outro lado, a ver, a ler. Não vos culpo se já não estiverem. Se tiverem desistido de mim, tal como eu desisti de mim mesma.

Chego ao fim deste percurso convencida de que, se calhar, isto não é mesmo para mim. Se calhar não era para ser. E se não é para ser não será. Tentei forçar-me, ao longo deste tempo todo, a vir aqui, a manter aquela vontade acessa. Tentei o melhor que pude mas falhei e isso é claro. Acho que com este texto, quero pedir desculpa...não a vocês, mas a mim própria. À menina de quinze anos que começou este blog com a intenção de se tornar numa escritora famosa e bem sucedida, ou numa jornalista de renome.

A ela, peço desculpa. Falhei-te. Contudo, não consigo virar costas a isto por completo. Não consigo simplesmente admitir que já não gosto de escrever e não consigo dizer que vou deixar de o fazer, para sempre. Talvez agora que acabei o curso, com tempo, aquele amor que outrora eu nutria pela arte de escrever regresse. Devagar, quem sabe, talvez. Apesar de tudo, não consigo largar por completo. No último ano larguei tanta coisa...deixei tanta coisa e tanta pessoa para trás que, por essa razão, penso não ser capaz de largar isto por completo. Ainda aqui estou. Apesar de tudo o que acabei de escrever, ainda aqui vim e ainda escrevi este texto. Talvez seja teimosia, o não querer abdicar também disto, deste espaço, deste bocado de mim, como tenho vindo a abdicar de tanta outra coisa no último ano.

Talvez seja teimosia...ou talvez seja amor.

21
Nov16

Aprendendo comigo mesma


alex

Andava pelo blog a ver as estatísticas deste canto, coisa que não faço com frequência porque também já não escrevo com a mesma frequência que escrevia antes, quando dou de caras com um determinado post. Na página das estatísticas, há uma parte com os posts mais comentados do nosso blog, ou seja, os mais "famosos" por assim dizer.  E eu dei por mim a clicar neste post. 

Ultimamente ando a desesperar. O meu trabalho já não me enche as medidas. Chego a casa a tarde e a más horas, carrego com demasiadas caixas, demasiado pesadas todos os dias, apago fogos que não me competem apagar, tenho de responder a pessoas que tanto me sorriem e me fazem rir como no segundo a seguir me façam querer esmurrar alguém e chorar... simplesmente, já não estou satisfeita com o sítio onde estou. Há uns meses atrás acho que escrevi aqui no blog em como ia mudar. Essa mudança acabou por não acontecer e na altura, as razões que dei a mim própria e aos que me rodeavam foram muitas e iguais. No entanto, depois de ler o post que menciono em cima, apercebi-me de que a razão pela qual eu acabei por não mudar foi só uma, e é abordada nesse post.

O medo. O medo e a incerteza. Por vezes não me reconheço. Onde anda a rapariga que escreveu este post enorme sobre a vida ser 50/50, sobre tomar riscos e dar aquele passo grande em frente mesmo que isso implique bater com o nariz no chão e desiludirmos-nos?

Passaram-se quase já dois anos desde que escrevi o post em questão. Mas a Alexandra que o escreveu tem toda a razão. E é nela que vou agora buscar a coragem para, finalmente, sair da embrulhada onde me enfiei e tentar algo novo. Está na altura. 

Ser mais, fazer mais. Preciso de me reencontrar com a Alexandra de há dois anos atrás. Uma miúda determinada e disposta a dar um passo incerto. Uma rapariga com a audácia de fazer uma escolha, mesmo que ela se revele errada, pois ela era capaz de tirar disso uma lição de vida. E citando-me a mim mesma: 

"(...)a Vida é 50/50. Há 50% de probabilidade de correr bem e 50% de probabilidade de correr mal. No fim, se nos limitamos a ficar sentados na nossa própria poça de medos e inseguranças, sem dar um passo para a frente ou até mesmo para trás...aí sim, é que a probabilidade de algo bom acontecer é de 0%.

Acho que 50% é sempre melhor do que 0%."

Concordo. E se depois de feita a escolha e de tomada a decisão, as coisas não correrem bem, não faz mal.

Porque, até agora, todas as quedas que já dei ensinaram-me a saber levantar.

20
Out16

A crise dos 20


alex

Não sei se toda a gente passa por isto aos 20, mas é certo que toda a gente passa por isto.

Aquela altura da nossa vida em que olhamos para o futuro e vemos negro. Aquela altura em que estamos a meio de um curso e nos apercebemos que em nada este está a contribuir para a nossa formação. Aquela altura em que queremos baixar os braços, desistir da vida e tornar-nos Managers da Gap (esta última mais pessoal, obviamente...).

Porque pergunto-me, a cada dia que passa, se isto tudo vai valer a pena. Daqui a um ano, quando acabar o meu curso e subir ao palco para receber o diploma de fato vestido e chapéu na cabeça, será que vou sorrir de alívio ou de felicidade? Eu aposto em alívio. Alívio por finalmente ter feito a minha parte. Ter a consciência limpa e tranquila. Tirei um curso. Agora posso simplesmente continuar a minha vida como se nunca tivesse desperdiçado 3 anos dela. Acho que vai ser esse o meu pensamento. 

Já não sei por quem estou a fazer isto. Se pela menina de 15 anos que sonhava em publicar o seu livro, a jovem de 18 que não queria sobrecarregar os pais e então emigrou ou se pela sociedade que me diz, desde nova, que ter um curso é tudo. Agora já não há volta atrás. Recuso-me a desistir. Preferia morrer. Mas a vontade de continuar escasseia. O interesse também. A paciência então... e as dúvidas. Essas permanecem sempre e enterram-se e cravam-se cada vez mais fundo no meu peito. Os "ses" da vida, para mim, são como pequenos cortes que carrego por todo o meu corpo e que de vez em quando abrem e ardem e ardem para caraças. 

Com o passar do tempo as pessoas mudam. Meu deus, se mudam... ao olhar para trás, eu fui a que mudei mais. E os meus sonhos mudaram também. Os meus interesses também. E hoje já não sei. Não sei se continuo a ser eu, ou um eu pior ou um eu melhor ou simplesmente alguém. Alguém sem futuro, alguém sem sonhos, alguém sem vontade.

Principalmente alguém sem vontade.

Não tenho vontade. E quando me falta a vontade, falta-me tudo.

05
Mai16

Está feito


alex

É uma sensação que não consigo explicar muito bem por palavras... Pensar que o meu primeiro ano de universidade já está feito.

Exame feito, trabalhos todos feitos e entregues a tempo... agora é só esperar pela palavra dos professores e ver as notas. É estranho. Agora tenho até Outubro para, simplesmente, me concentrar no trabalho e em mim e na minha vida.

O meu primeiro ano não foi nada como eu estava à espera, vou-vos confessar. Não fiz uma mão cheia de amigos, não conheci assim tantas pessoas quanto isso, não me envolvi em nada daquilo que me queria envolver e não fui uma aluna assídua. Muito disto por causa do trabalho. Ser trabalhadora estudante aqui não é fácil, ao contrário do que eu pensava.

É certo que é mais fácil do que sê-lo em Portugal, mas aqui também não é pêra doce, especialmente se trabalharem onde eu trabalho. Especialmente se forem como eu, que quer ser boa em tudo o que faz e não aceita menos do que isso. Tenho de ser boa no meu trabalho, seja esse o meu trabalho de sonho ou o meu ganha-pão. Não interessa. Tenho de ser boa senão não vale a pena fazê-lo. E isso muitas vezes chocou com o meu "eu" estudante. Foram várias as vezes em que o meu "eu" estudante e o meu "eu" trabalhadora chocaram. E tenho a dizer que o último ganhou a maior parte das vezes.

Ouvi dizer muitas vezes que não é a falta de tempo, é a falta de vontade. Mas para essas almas que me atiravam essa frase feita à cara só tenho a dizer: Vocês não sabem.

É difícil ter de ir trabalhar, por exemplo, das 13h às 22h, muitas vezes sair meia hora ou uma hora mais tarde, chegar a casa já a passar das 23h da noite e ainda ter de ir fazer coisas da universidade, quando no dia seguinte temos de nos levantar às 7h ou às 8h para ir trabalhar outra vez mais umas oito horas.

É difícil ir às aulas quando essas são no teu único dia de folga e tu estiveste a trabalhar sete ou oito dias de seguida sem descanso. 

É complicado quando tens dezanove anos e não te consegues fazer levantar da cama por causa das dores de costa que tens, de tantas caixas cheias de roupa e outras coisas que andaste a carregar no dia anterior ou pelas oito horas que passaste em pé nas caixas.

Não é fácil. E mesmo assim eu fi-lo. Acabei o meu primeiro ano de universidade apesar disto tudo. É verdade, não fui todas as semanas às aulas. É verdade que houve trabalhos que fiz à despacha e em cima do joelho. É verdade que não participei em muitas das coisas que queria participar na universidade, como por exemplo, a sociedade de jornalistas. 

Mas fi-lo. Acabei o meu primeiro ano. Não no topo, mas acabei. E agora que tenho finalmente tempo para mim, quero gozar os últimos dias dos meus dezanove anos e depois de completar os vinte daqui a 19 dias, quero aproveitar ainda mais. Quero ser jovem. Quero explorar a cidade onde vivo já lá vão 9 meses. Quero conhecer o que ainda não conheço e quem ainda não conheço.

E agora tenho tempo para começar a aprender uma lingua nova, que bem que vou precisar de sabe-la, para a aventura que vou viver em Setembro...

22
Jan16

Do caraças...


alex

Tenho andado cansada. Rabugenta. Sem paciência para nada nem ninguém. Na Terça-feira tive um dia de cão. Tudo correu mal. Recebi más notícias. Recebi o meu closet que acabou por não caber debaixo do meu beliche.

A C. e H. pegaram em mim e fomos ao sushi em Golders Green, o nosso restaurante favorito. Não me lembro de alguma fez me ter rido tanto como nessa noite. Doía-me a barriga de tanto rir. Nem consegui terminar a minha refeição porque não conseguia não rir durante 5 segundos.

Chegámos a casa perto das 21.00 e eu ainda tinha o roupeiro por montar - e já sabia que ele era demasiado grande para caber debaixo da cama. Voltei a entrar em modo depressivo, sem saber o que fazer. 

A C. e a H. pegaram nas instruções, nas peças e transformaram-me um roupeiro flop numas coisas jeitosas para arrumação, que cabem debaixo do meu beliche. Agora tenho espaço no meu roupeiro (que já cá tinha) e tenho sítio onde arrumar os sapatos, sem estarem à vista no meio do quarto.

Chorei. Chorei nessa noite porque não sei o que faria sem estas duas almas. Juro que não sei. Eu sei que a nossa família é a nossa família e os nossos amigos são os nossos amigos mas...estas raparigas tornaram-se na minha família no espaço de quase seis meses. 

Lembro-me de dizer isto de muita gente, ao longo de toda a minha vida. Mas isto é realmente diferente. Nunca tinha percebido muito bem quando a C., que já cá estava e falava comigo quando eu ainda estava em Portugal, me dizia que eles aqui eram a família uns dos outros e que era diferente daquelas coisas que nós tínhamos no secundário ou até no básico em que éramos todos como irmãos e irmãs. Nunca tinha percebido até muito recentemente. 

Eu moro com mais pessoas para além delas as duas e essas sim, são só amigas e pessoas com quem vivo. Mas a C. e a H. são a minha família aqui. Sempre fui má com palavras. Não falo dos meus sentimentos, não me expresso bem para com as pessoas e guardo muito daquilo que quero dizer para mim, especialmente se forem coisas assim deste género. Gratidão, amor, os sentimentos que devia exprimir e que guardo muito para mim. Mas tento ao máximo transmitir o quão agradecida sou, todos os dias, por as ter na minha vida, através de acções.

Acho que isso é o mais importante. Receber e dar.

Isto tudo a propósito do facto de que o facebook fez questão de lembrar que eu e a C. já nos conhecemos vai para cinco anos. Na altura, eu de chucha na boca e totós e ela com pó talco na cara, nunca sonharia que um dia acabaríamos juntas a viver em Londres.

Duas raparigas de uma cidadezinha em Lisboa, com 14 anos, ambas com tantos problemas existenciais naquela altura, cinco anos depois a viverem numa das cidades mais apregoadas do mundo.

A vida é do caraças, não é?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D