Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

02
Out18

Vou voltar


alex

Por onde começar... 

Estou de volta. Bom, na verdade, já voltei há duas semanas mas a vida tem sido uma correria desde então. As férias passaram-se, com muitos precalços e histórias que vão ficar por contar, pelo menos por agora. Não foi uma viagem que me tenha enchido as medidas, como foi há dois anos atrás. Talvez por ter ido com mais pessoas desta vez, talvez por estar numa fase diferente da minha vida, talvez...regressei com muitos "talvez". Não posso dizer que foi um desastre de viagem e umas más férias, mas também não posso dizer que foi espectacular e que vim revigorada. Precisei de férias das férias assim que aterramos em Gatwick. Mas como já disse, talvez fale sobre isso num outro post. Ou não, porque nunca se sabe quem pode acabar por ler o post...

Entretanto, de volta à rotina, tenho andado a pensar muito no meu futuro desde que regressámos. Pode-se dizer que se houve algo que esta viagem fez, foi fazer-me reflectir bastante na pessoa que eu sou, nas pessoas que tenho à minha volta, na minha vida presente e no meu futuro próximo. Como mencionei brevemente no post anterior, o ano que vem vai trazer consigo muita mudança. Não logo ao principio, mas acho que estou numa altura da minha vida em que não posso ter medo de nada, nem mesmo de dizer aquilo que ainda não tenho a certeza se vai acontecer ou não. Os primeiros seis meses do próximo ano podem muito bem vir a ser os últimos meses que passo aqui. 

Pelo menos o plano é esse.

Acho que ainda não disse isto a quase ninguém. Escrevê-lo é estranho. Mas a intenção é essa. Nunca pensei que fosse quando me mudei para Londres há quase quatro anos atrás. A intenção era a de ficar aqui ou, possivelmente, ir daqui para outro país qualquer. Mas muita coisa aconteceu nos últimos anos, muito mudou e eu fui quem mudou mais. Os meus sonhos, os meus objectivos, as minhas certezas em relação à profissão que queria ter...tudo isso se dissipou. Não posso dizer que mudou, simplesmente. Não mudou. Apenas...estalou. Não sei se alguém que está a ler este texto já alguma vez viu a série de televisão "How I Met Your Mother", mas há um episódio em particular que eu uso muito para tentar explicar isto às pessoas. Há um episódio em que o som de um espelho a partir-se quando eles apontam os defeitos irritantes uns dos outros, passa muitas vezes porque as ilusões deles são estilhaçadas. Aquilo que eles nunca se tinham apercebido que o outro personagem fazia, como por exemplo mastigar muito alto ou estar sempre a corrigir a gramática das pessoas, é-lhes apontado e as ilusões deles estilhaçam.

A minha passagem por Inglaterra e esta minha fase é mais ou menos assim. Eu vim com sonhos, objectivos, expectativas...ilusões. E ao fim de quatro anos, o meu espelho também se estilhaçou e os vidros estão a ser varridos neste preciso momento. Acho que é completamente normal eu sentir-me assim, daí não estar muito preocupada de momento. Não sei o que quero fazer daqui para a frente, o que quero ser, onde quero estar mas sei o que não quero fazer, o que não quero ser e onde não quero estar. Não quero continuar a viver aqui. Não quero mais viver em Inglaterra.

E é assim que se começa. É assim que se começa um novo capitulo. Tenho muitos sítios para onde posso ir, mas a verdade é que só há um para onde quero ir. Quero ir para casa. Quero voltar para Portugal. Não sei se definitivamente ou só até voltar a encontrar o meu rumo. Mas não consigo mais viver aqui. Não consigo mais partilhar casa com as pessoas com quem partilho. Foram a minha família durante quatro anos, mas também elas mudaram. Não quero continuar a sentir que estou alienada de tudo e de todos. Que sou uma má filha, uma má neta, uma má amiga. Nunca pensei que a culpa me fosse pesar tanto ao fim deste tempo todo, mas pesa. E no domingo, quando uma de nós cá em casa recebeu a notícia que um dos familiares dela tinha falecido nessa manhã, eu soube que não há volta a dar nesta minha decisão de partir.

Como disse, nunca pensei que a culpa me viesse a pesar tanto. Mas pesa. Tudo o que perdi nestes anos, preciso de compensar. Preciso de voltar, por seis meses, um ano, dois anos, o tempo que for preciso para poder dar aquilo que não dei por estar a fazer algo por mim e para mim. Vim para Londres porque era um sonho estudar fora. Formei-me, com boas notas, apesar de todos os contratempos, todas as dificuldades, todas as lágrimas e desgostos. Sinto que já não há nada para mim aqui. E toda a gente me diz que em Portugal, nada há para mim. Porque é que havia de me ir embora? Tenho um emprego estável, recebo mais do que os meus dois pais juntos recebem em Portugal, tenho uma boa casa e pago uma ninharia de renda por ela. Tenho bons amigos. Mas falta-me algo. Não estou infeliz, mas também não estou feliz. E para mim isso é assustador. Pode não haver um emprego para mim em Portugal, mas tenho outras coisas que se calhar neste momento me estão a fazer mais falta. Estou cansada de só ver a minha família duas vezes por ano. Cansada de ver a minha irmã crescer através de um ecrã de computador ou telemóvel. Cansada de adormecer a pensar que se acontece alguma coisa e eu não estou lá... Estou cansada. Preciso de descansar, essencialmente. Em quatro anos não parei. Férias não me sabem a férias. Os dias de folga não sabem a dias de folga. Nas festas não me apetece festejar. 

A decisão está tomada. O regresso a Portugal é certo. Precisamos apenas de todas conversar sobre os nossos futuros e de, no inicio do ano, fazer a renovação do contracto da casa apenas por seis meses. Vai-me custar muito...tanto. Voltar a viver com os meus pais, voltar a depender deles. Vai caraças. Vai-me cortar o orgulho aos pedaços. Mas eu preciso de voltar. Não sei para fazer o quê, nem durante quanto tempo. Posso lá ficar só um mês e depois decidir ir para outro sítio qualquer. Posso ficar cinco anos e depois decidir voltar para Inglaterra (improvável). Mas primeiro e antes de mais nada, preciso de ir. Preciso de voltar ao meu país, preciso de voltar a conectar com a minha família. Preciso de ser a filha e a irmã que eles merecem. E preciso de voltar a ser a Alexandra que eu mereço.

Vou voltar.

06
Ago18

A mais pura das ignorâncias


alex

Já escrevi vários textos sobre o ser emigrante. Contudo, hoje, depois de abrir o Facebook pela primeira vez em vários dias (não uso muito o Facebook), deparei-me logo com um post que me deixou em brasa. Se calhar é por isso que evito ir ao Facebook, porque de cada vez que lá vou, só me deparo com vergonhas destas.

Basicamente aquilo com que me deparei foi com um post de uma rapariga que costumava andar na mesma escola secundária que eu, que entretanto até deixou os estudos (pelo que sei). O post que ela partilhou era de uma senhora que escreveu um texto aos anti-emigrantes e esta rapariga que andava comigo na escola partilhou e escreveu a sua "opinião" em relação ao texto direccionado aos anti-emigrantes.

O que ela escreveu eu já ouvi muitas vezes ser dito a vários emigrantes e já me o foi dito a mim várias vezes, até por "amigos" e pessoas próximas. Esta aversão que ALGUNS portugueses ainda parecem ter e expressar contra os emigrantes deixa-me, no mínimo dos mínimos, triste. Triste por saber que há portugueses que pensam desta forma de outros portugueses. Para esta menina, porque a meu ver é isso que ela é, eu sou uma pessoa que odeia o seu país. Que é uma escumalha porque abandonei os meus e desconto para um país que não é o meu. Abandonei o meu país e depois vou de férias para Portugal fazer turismo e usufruir do trabalho árduo dos portugueses que são tão patriotas e adoradores do seu país que jamais ousariam abandona-lo.

Eu sou o equivalente a uma criminosa aos olhos de pessoas como esta menina. Mas será que estas pessoas são assim tão densas que não conseguem perceber que eu por ter escolhido sair do meu país não gosto menos ou mais do meu país do que os que ficam? Que não sou menos ou mais portuguesa? Aliás, até vos digo mais! Gosto mais do meu país agora que não estou lá do que quando lá estava! Se eu fosse de lavar roupa suja, como se diz, em praça pública, tinha ido comentar no post dela. Em vez disso venho para aqui escrever este texto porque não é da minha personalidade andar nas redes sociais a discutir com pessoas densas e que pensam que ter uma opinião = a odiar, enxovalhar e tratar os outros como lixo.

Vamos por partes. Todos nós temos objectivos de vida diferentes. O meu objectivo de vida, na altura em que decidi emigrar já lá vão 4 anos, era poder tirar uma licenciatura nas áreas que me interessavam. Eu queria o que, infelizmente, o meu país não me podia oferecer. Só me davam a escolher Jornalismo e Comunicação Social. Mas eu queria mais. Queria algo direccionado para a escrita criativa, o mundo editorial e da publicação de livros. Uma universidade em Londres oferecia-me os dois. Escrita Criativa e Jornalismo. Então vim. 

Há pessoas que emigram aos 30 porque, na empresa onde trabalham, foi-lhes oferecida uma posição com melhores condições, melhores ordenados e então emigram. Há pessoas que emigram aos 50, já depois de terem filhos criados por qualquer outra razão que lhes cabe só a eles. Todos nós temos as nossas razões mas uma coisa posso garantir: são muito poucos ou atrevo-me até dizer, quase nenhuns, os portugueses que emigram só porque sim. Ou porque odeiam Portugal. Por favor malta. Pensar assim é uma forma completamente ridícula de pensar. Não vou dizer que emigrar não é uma escolha, porque é. Claro que é! Eu podia muito bem ter escolhido ficar em Portugal a estudar Comunicação Social ou Jornalismo e se calhar tinha ido estagiar para um dos canais de televisão, como vários dos meus colegas fizeram, ou tinha conseguido um emprego na minha área, como outros meus colegas, ou então estava a fazer algo completamente diferente do meu curso, tal e qual como estou agora a fazer aqui. Eu escolhi emigrar e é sim uma escolha. Mas agora, desde quando é que escolher algo para o nosso futuro que não passa por ficar em Portugal, um crime? Não percebo. Eu tenho certos objectivos de vida que se calhar A ou B não tem. Para essa pessoa, o seu objectivo é acabar os estudos, arranjar um trabalho que lhe dê o ordenado mínimo, se calhar não se importa de ficar a viver em casa dos pais até aos 30, quer tirar a carta, ter um carrinho mesmo que seja em segunda ou terceira mão e pronto, isto para essa pessoa é vida. É a vida que ela quer para ela. Mas e então eu sou A ou B? Não, eu sou a Alexandra. Eu quero ganhar mais do que 600 euros por mês. Eu tenho 22 anos e não tenho carta porque não quero, não preciso e não tenho intenção de vir a ter. Eu não consigo imaginar-me a viver em casa dos meus pais, a depender deles, a apoiar-me mais neles. Eu quero dar aos meus pais, ajudá-los, coisa que já consegui fazer e que não conseguiria se tivesse ficado em Portugal. Eu quero viajar. Eu quero aprender outras línguas, experimentar outras culturas, viver outras realidades. Alguém que me explique o porquê de eu, por querer algo que a A ou o B não quer, sou enxovalhada, tenho de levar com bocas, ser chamada de emigra, de desertor, de ouvir coisas como: "Pois, pois, tu vais e descontas para outro país, isso é fácil, agora ficar cá a descontar para o país que tu dizes amar só para tu vires cá fazer turismo uma vez por ano, isso é que é difícil"

MALTA. MEU DEUS. COMO ASSIM?

Eu vou fazer turismo? Pois vou porque existe uma coisa chamada turismo interno, que todo o português pratica, seja emigrante ou não! Eu se for Lisboeta e for passar duas semanas de férias ao Algarve sou uma turista! Ah, mas no meu caso é porque não desconto para o meu país mas depois gosto de ir para lá de férias. Sim, pois claro. Porque não ter tempo para respirar nem mandar um peido para o ar quando se está na sua própria terra é, de facto, ter férias. Porque ao contrário do que este tipo de pessoas pensam, eu não abandonei os meus. E faço questão de visitar e ver toda a gente que me queira ver a mim quando vou a Portugal. O tempo que eu tenho para mim, nas minhas férias, é quase nulo. Mas para mim isso não é um problema. Porque estou com as pessoas que amo. "Mas se amasses não deixavas para trás!"

Adoro essa! Eu podia estar ai e não falar com ninguém, não me relacionar com um único familiar meu. Há pessoas que viram costas ao próprio sangue por coisas mesquinhas e depois vêm com lições de moral a dizer que os emigrantes são uns merdas que deixam a família sozinha? Quando eu vejo irmãos, tios, primos e sei lá eu mais o quê a dizerem e a falarem mal uns dos outros a três metros de distância uns dos outros? Por favor, poupem-me. O amor não se mede em milhas, em horas de avião ou em anos que passamos juntos dos nossos. O amor mede-se nas nossas acções, na forma como tratamos as pessoas. De que vos serve viverem com os vossos paizinhos se depois os tratam como se eles vos devessem algo? Como se eles fossem um monte de lixo velho que está simplesmente ali no canto à apodrecer? De que vos serve terem 10 amigos com quem sair durante o dia, se depois quando chega a noite não têm ninguém a quem ligar, com quem falar? A hipocrisia de metade desta gente que critica os emigrantes, se verificada, chegaria a números impensáveis.

Amam tanto Portugal. São tão patriotas. Uns desgraçados porque, eles sim, são os que ficam a descontar para o país, a lutar (dizem eles) por um país melhor. Mas depois vão para o Facebook falar mal do país a torto e a direito. São capazes de se queixar da merda de ordenado que recebem. Da vida que têm. Do carro que conduzem. Das coisas que não podem comprar. E depois, claro, atacam os emigras, como nos chamam, porque nós é que somos os traidores. Quando tudo o que nós fizemos foi escolher um caminho diferente para a nossa vida do que aquele que nos é incutido desde nascença. O crime, nossa senhora!

Aqui não há desgraçados nem coitados. Aqui há simplesmente pessoas com objectivos de vida diferentes, com quereres e metas diferentes. Porque nada neste vida é fácil. Ficar no país não é fácil. Sobreviver com ordenados mínimos não é fácil. Mas também não é fácil deste lado. Sempre ouvi dizer que quem está mal, muda-se. E neste caso, não acredito que alguém que emigre estivesse mal, mas estavam no sítio errado para conseguirem alcançar aquilo que queriam, então mudaram-se. Porque é que somos alvo de tanta crítica simplesmente por querermos algo de diferente para nós, para o nosso futuro e até, inclusive, para o possível futuro dos nossos? Só porque tu descontas para Portugal e eu desconto para Inglaterra?

Ao final do dia, é tudo dinheiro que vai parar aos bolsos dos mesmos corruptos de merda, portanto, esse argumento para mim é nulo. E, aliás... dependendo do número de anos que descontamos, eu posso transferir os meus descontos TODOS para Portugal se eu bem achar e assim quiser. Mas eu odeio o meu país, então nunca faria isso...

Enfim. Não consigo perceber o ódio aos emigrantes. Eu não vou para Portugal criticar, mandar bocas ou falar mal dos que escolherem ficar em Portugal a fazer seja o que for que escolheram fazer. Porque é que os emigrantes são tratados desta forma? Já  fui descriminada aqui por ser portuguesa, por pessoas não portuguesas, mas ser descriminada por portugueses, por ser portuguesa mas não viver em Portugal? Ninguém, para além de mim, acha isto rídiculo?

Uma coisa é termos uma opinião e exprimirmos aquilo que pensamos e dizer que jamais seriamos capazes de fazer isto ou aquilo. Agora, atacar aqueles que o fazem só porque não é igual ao que nós fazemos, isso já não é opinião.

É pura ignorância.

18
Out17

Ao abandono...


alex

Tenho vergonha de escrever isto. Mas é tão estranho escrever em português. Já não estou habituada. Não me interpretem mal, eu continuo a escrever e a falar em português com frequência. Falo com amigos e família a toda a hora mas é diferente. Articular pensamentos e estruturar textos é completamente diferente de quando estamos simplesmente a falar pelo Facebook com alguém.

Deixei o blogue ao abandono. Tive as minhas razões, como pareço ter sempre. E algumas pessoas perguntam-me porque é que simplesmente não apago este blogue e começo um novo, noutra plataforma, talvez até em inglês. E a minha resposta é muito simples. Seria incapaz de tal coisa. Mesmo que deixe de escrever aqui durante semanas ou meses, é um pedaço de mim, da minha vida, nos últimos cinco anos, da qual eu não não consigo abrir mão. Recuso-me. Este blogue viu-me crescer, literalmente. E vocês desse lado também. Eu tinha dezasseis anos quando decidi criar este blogue. Hoje vou a caminho dos vinte e dois. No papel, não parece muito, mas bolas, foram os anos mais críticos e atribulados da minha vida. Por isso não consigo simplesmente apagar o blogue ou deixa-lo ao abandono totalmente. 

Volto hoje, agora, porque o meu coração tem doído bastante com as notícias que chegam aqui. Eu abro o Facebook, abro os sites online de notícias e não se fala de outra coisa. Até já tive clientes na minha loja a falarem-me sobre isso, sem saberem que eu sou Portuguesa. É nestes momentos que me sinto uma má Portuguesa. Estou longe do meu país e portanto, longe dos seus problemas. Por aqui, temos outros problemas com os quais lidar, como por exemplo o tornado Ophelia que andam a anunciar já há uma semana. Mas isso não significa que não me doa ver o meu país e o meu povo no estado em que estão. Se há coisa da qual eu me gabo aqui, por entre os "brits", é do quão bonito o meu país é. Com áreas abertas e verdes, com cor, com vida. Gabo-me das imensas florestas e parques pelos quais podemos passear e aproveitar os belos dias de bom tempo que o nosso Portugal nos proporciona. 

Do que me gabo agora? Ardeu tanto. Não tudo, mas quase. Muito. Temos uma ministra que diz não ter tido férias, enquanto temos mais de 100 pessoas que nunca mais na vida vão ter seja o que for, porque morreram vítimas dos incêndios. Temos um país que aponta dedos - ao governo, aos bombeiros, ao povo. Um país destruído. Completamente. E eu vejo isto a acontecer, aqui no meu quarto em Londres, pelas redes sociais e pela família que vai mandado actualizações da situação e penso que não há nada mais triste do que ver o nosso país a morrer, de todas as formas, e não puder fazer nada. Porque Inglaterra nunca vai ser o meu país. Nem outro país qualquer onde eu possa vir a morar no futuro. O meu país é Portugal. A minha casa eterna. E um dia, gostava muito de poder regressar, a sério que sim.

Mas regresso para o quê? Para o meu país? Ou para uma versão esmorecida e triste do mesmo?

Não sou pessoa de me expressar nas redes sociais, de partilhar seja o que for ou de ir para o Facebook fazer discursos. Mas bolas...estando longe, sinto que não há muita escolha. Então resolvi voltar. Escrever aqui o quanto eu gosto do meu país e o quanto me doí vê-lo neste estado. Estou longe, mas não estou cega. Estou longe, mas não estou muda. Estou longe mas continuo sempre por perto. E continuo Portuguesa. Talvez mais agora do que alguma vez o fui. As teorias são muitas. As opiniões ainda mais. Mas os factos são certos. E os castigos deviam ser aplicados às pessoas que os merecem. Mas isto é algo que vai para além da política, que vai para além da ética. A destruição do nosso país foi um acto inumano. Em relação a isso, não há dúvidas. Só gostava que os dedos parassem de ser apontados em todas as direcções e mais algumas e que as pessoas se juntassem para, finalmente, poder haver mudança. Não sei se é desejar por muito ou não. Mas como Portuguesa que sou, a esperança é sempre a última a morrer.

Gostava que o abandono ao qual me refiro no título fosse ao meu em relação a este blogue. Mas não é, e acho que todos sabemos isso. Mas tal e qual como eu me recuso a abandonar por completo este blogue, só posso desejar que o nosso povo se recuse também a abandonar por completo o nosso país.

01
Jun17

Os 21 vieram com muitos sentimentos...


alex

Já lá vai algum tempo desde a última vez que vos escrevi... A verdade é que não tenho andado com cabeça. Fui de férias para Portugal durante 10 dias mas, para ser sincera, nem souberam a férias. Enquanto lá estive, recebi notícias que me deixaram ansiosa e não me permitiram aproveitar como eu gostaria de ter aproveitado. Coisas da universidade, que ainda não estão resolvidas e que me têm tirado o sono. O que me incomoda mais é o facto de não poder fazer nada mais para além daquilo que já fiz, que foi mandar emails para todas as pessoas que me poderiam ajudar. Ninguém me responde e ninguém me parece disposto a ajudar, portanto a única coisa a fazer é esperar.

Enquanto estive em Portugal fiz os 21. Este ano celebrei com a família e deu para perceber muita coisa. Estes dias que passei lá, aliás, deram para perceber muita coisa. É uma luta constante, esta de se ser emigrante. Estou aqui e só quero estar lá. Estou lá e não consigo deixar de pensar na vida que tenho aqui. É extenuante. A grande verdade é que, completei 21 anos e a vida ainda há-de dar muitas voltas. Não pretendo ficar aqui para sempre, neste país que quer ver os emigrantes pelas costas, contudo...a minha vida está aqui agora. E vai deixar de estar, tenho a certeza, daqui a uns anos. Mas não sei se tão cedo ela vai passar a estar, de novo, em Portugal. 

É o meu país, é a minha casa, é onde vivi toda a minha vida. Nada muda. Mas tudo muda. Porque eu mudei. Porque eu ganhei outras experiências que não tinha ganho se lá tivesse ficado. Porque as minhas relações com certas pessoas mudaram. Porque as pessoas crescem e por vezes, mudam. Porque eu já não vejo o mundo e a vida como via há dois anos atrás. Como disse, a vida ainda vai dar muitas voltas, disso não tenho dúvidas. Mas não sei se é porque estou a menos de um ano de acabar o meu curso, se é porque tenho andado stressada com os problemas que me apareceram na uni ou se é por uma outra razão qualquer, a verdade é que me sinto um pouco perdida.

Perdida, ansiosa e insatisfeita. Não sei bem o que quero, não sei bem do que preciso e sinceramente...já não sei bem quem sou.

Sinto que estou prestes a entrar na segunda crise da adolescência. Apesar de já não ser adolescente coisíssima nenhuma. Uma amiga minha disse que ela ia agora entrar na "quarter-life crisis".

Eu bem que ri e disse para ela não ser tonta. Mas aquilo assentou dentro de mim e fez sentido. Já somos duas, pensei eu para mim enquanto tentava esconder este pensamento com um sorriso nos lábios.

11
Mai17

Dar valor ao que é nosso


alex

Fazia-o pouco. Desde que sai de Portugal e vim viver para Inglaterra, acho que a minha veia patriota veio muito ao de cima. Eu vou aqui admitir uma coisa que nunca admiti a ninguém: eu achava que não gostava do meu país.

Para mim Portugal era um beco sem saída. Talvez porque, a certa altura da vida, vivi com o meu pai a entrar e a sair do desemprego e quando ele finalmente assentou, foi a vez da minha mãe (que até hoje ainda se encontra desempregada). Para mim a nossa música nunca era das melhores. Ouvia-se, de vez em quando, se passasse na radio. Para mim, havia sempre sítios mais bonitos e mais interessantes para explorar, fora de Portugal. Para mim havia sempre filmes melhores, livros melhores e séries melhores do que aqueles feitos e escritos e produzidos por portugueses.

Ao olhar para trás, só gostava de poder dar um par de estaladas à criança que pensava assim. Hoje sei, sem sombra de dúvida alguma, que o meu país é o mais bonito, o mais bondoso, o mais quente, o mais talentoso. Hoje sei que, apesar de todos os defeitos do meus país, são as suas qualidades que fazem dele o que é. Até morar noutro país que não o meu, não pensava assim, o que me entristece. Mas agora sei dar valor ao que é meu. Talvez porque já não é tanto meu como quando lá vivia. 

Hoje em dia dou por mim a pesquisar sítios para passar férias no meu país. Dou por mim a ver séries da RTP1 e novelas da TVI. Dou comigo a ouvir, de livre e espontânea vontade, cantores portugueses. A alegria que é quando vamos no carro e sou eu que posso escolher a música! No outro dia andávamos a passear de carro às tantas da madrugada a ouvir a Como Ela é Bela do Agir. É uma música muito bonita gente. Mas não só. Amanhã tou Melhor dos Capitão Fausto tem sido o mais tocado no meu telemóvel. E basicamente todas a músicas deles. Acho que é daquelas coisas que, só quem está fora do país, é que entende. Queremos manter-nos ligados à nossa terra o máximo que conseguirmos. Porque às vezes temos medo. Medo de perder aquilo que é nosso. A nossa língua, a nossa cultura, as nossas raízes. 

Temos de dar mais valor aquilo que é nosso. E eu acho que ultimamente, não sou só eu que o ando a fazer. A Eurovisão está ai à porta e, muito sinceramente, nunca pensei estar tão entusiasmada como estou. Quando vi o Salvador cantar Amar Pelos Dois pela primeira vez, não gostei. Sou sincera. Não me encantou. Mas lá está, temos de dar valor ao que é nosso. Então fui ouvir e ver outra vez. E mais uma e mais outra. E agora não consigo olhar para o rapaz a actuar e dizer que ele não tem talento. Que ele não é a escolha acertada. Porque ele tem talento e porque penso que mais ninguém poderia ir representar-nos este ano, tão bem, como eu sei que o Salvador fará.

Ultimamente tenho andado bastante em baixo com isto de ser emigrante. Ando a reconsiderar e a ponderar muito sobre a minha vida. Mas sabem o que me faz mesmo muito feliz ao final do dia?

Saber que o meu país é Portugal. E vergonha de dizer de onde sou? Nunca a tenho. Jamais. Porque tenho orgulho de ser portuguesa, muito mesmo. Aqui em casa, depois de já termos vivido alguns anos em Inglaterra, todas nós chegámos à mesma conclusão: Portugal é um país único. E é nosso.

Temos de dar mais valor ao que é nosso. Eu vou votar no Salvador. Votem também.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D