Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

12
Dez14

Manter o (bom) espirito

alex

De volta aos dias em que o telemóvel está colado à mão, em que os currículos que mando são mais do que as vezes em que pisco os olhos (esta parte é exagerada mas não seria eu se assim não fosse) e em que o botão F5 é mais gasto que o meu único par de botas de Inverno, vou mantendo o sorriso nos lábios e a boa disposição porque se houve algo que esta experiência que tive estes dois meses me ensinou foi que tenho uns pais que irão até ao fim do mundo para me ajudarem e apoiarem e amigos que estão sempre presentes para me ajudarem a levantar depois de uma queda.

E também porque daqui a 12 dias é Natal.

15
Dez13

All i need

alex

Agora que sinto que posso respirar de novo... mal respiro! Anda uma pessoa a encher-se de coisas boas, a comer clementinas e a beber sumos de laranja como se não houvesse amanhã, só mesmo naquela de prevenir a tão conhecida constipação e não é que a sacana me apanha na mesma? Mas ignorando o facto de parecer que tenho um gato a arranhar-me constantemente a garganta e de já ter gasto quase todos os pacotes de lenços cá de casa, estou aliviada.

Como em todos os finais de período, poderia ter feito mais e melhor. Mas agora já está feito e é aproveitar as semanas de férias que se avizinham, porque sinceramente... estou a precisar delas desesperadamente. São só mais dois dias, que sinceramente nem contam, visto que amanhã só tenho educação física e terça-feira é o último dia e nesse, nunca se faz nada. Está na hora de ocupar o meu tempo comigo mesma. Está na hora de ter o merecido tempo de descanso e apesar de ter de começar a passar os olhos pela matéria de francês (vou fazer o exame para substituir macs) quero também ter tempo para mim, para os meus amigos e família.

É tempo de ir fazer as típicas compras de Natal, de ir à procura de uma peça de roupa bonita para usar no Natal e no Ano Novo e é tempo de aproveitar. Este ano a prenda dos meus pais já está comprada. Decidi, em vez de oferecer algo diferente a cada um, comprar algo para os dois e para o resto da família. Poupei durante estes 3 meses e consegui comprar uma máquina digital de boa qualidade, que a nossa já tem cerca de 10 anos e já está com os dois pés para a cova. Mal posso esperar para ver a reacção deles! Falta então a prenda de Natal e de aniversário para a minha irmã, o que é sempre um pouco mais complicado. 

E é isto. Sinto-me bem, apesar de ainda ter muitas feridas por sarar, apesar de por vezes ainda doer. No entanto, sinto-me bem. Apetece-me sorrir, apetece-me viver, apetece-me. Há dias em que não dou valor ao facto de poder estar aqui. Hoje dou. Ultimamente tenho dado. Há que estar agradecido por estar cá, seja a nossa vida complicada ou não. Sofrendo ou não. Não interessa. Estamos cá, estamos vivos, enquanto muitos não estão e desejavam poder estar. Tenho a minha família, os meus amigos, tenho-me a mim, tenho um tecto sobre a cabeça.

Posso não ter tudo, mas tenho tudo o que preciso. E isso chega-me, por agora.

20
Dez12

Foi, portanto, uma noite agradável

alex

Digamos que ontem, desde do momento em que sai do centro comercial e me despedi da P. o dia foi descambando a cada hora que passou.

Isto de combinar coisas à última da hora nunca dá bom resultado. A minha boleia deixou-me plantada e como tal, tive de recorrer à outra única pessoa que, pensava eu, tinha meio de transporte e que mora perto do circo: o meu primo. Liguei-lhe, expliquei-lhe a situação e ele lá concordou em ir buscar-me. Esqueceu-se foi de dizer que já tinha vendido a mota e que iria acompanhado por dois amigos. Andei feita cadelinha perdida atrás dele e dos amigos até quase às 18h00m. Só queria mandar-lhe um tiro. Finalmente, chegámos a casa dele, jantámos e, como não sabia a que horas começava o circo, visto que a minha tia não me tinha dito e durante o dia esteve a trabalhar e esteve incontactável, só lhe liguei a perguntar eram 20h00m, quando ela supostamente saia do trabalho. Ela diz-me que o circo começava às 20h00m. Awesome. Lá vou eu a correr para o circo, e quando lá chego já tinha entrado toda a gente. Pensei eu para comigo: "Mas ela nem sequer esperou por mim?!". Liguei-lhe e ela não atendeu. Liguei umas cinco vezes depois dessa e nada. Decidi então tentar entrar para ver se conseguia identificá-la no meio de tanta gente. Eu não tinha o bilhete comigo, mas o senhor que os estava a receber até foi simpático e deixou-me ir à procura dela. Entrei e já o acto dos leões estava a acabar. Não a vi e não vi ninguém que conhecesse. Voltei a sair e a ligar-lhe. Ao fim de não sei quantas chamadas, ela atendeu. Ainda nem sequer estava perto do circo! Afinal, só saia às 20h30m! Fiquei pior que estragada porque odeio atrasos, odeio quando me farto de telefonar às pessoas e elas não atendem e odeio quando combinam mal as coisas! A cereja em cima do bolo foi o facto de o circo ter sido o mais fraco, em termos de conteúdo, que já vi até hoje. Todos os actos foram muito pouco desenvolvidos e o dos palhaços, que é sempre o meu favorito, não teve piada alguma. O que ainda escapou ao desastre ambulante, foi a Rita Pereira. Sim, ela esteve lá, com toda a sua simplicidade e beleza natural, de fazer inveja a qualquer uma. Estive literalmente, a 10 metros dela e pude confirmar aquilo que já calculava: a rapariga é genuinamente bonita. Usa maquilhagem, claro, mas nota-se que é bonita por si só. E o cabelo dela? Meu Deus, nunca vi cabelo tão bem tratado como o dela. Fiquei maravilhada com a rapariga, é verdade. E pareceu-me simpática quando discursou e quando distribuiu beijinhos e autógrafos pela pequenada e por outras pessoas. Ao olhar para ela uma última vez antes de sair da sala, só pensei para comigo: "Porque raio é que não posso ser um bocadinho mais como ela?"

Enfim, o fim perfeito para uma noite perfeita foi o facto de ter começado a chover exactamente quando saimos da tenda do circo e eu de me ter molhado da cabeça aos pés. Chegada a casa, jurei para nunca mais. A magia do circo foi perdida, juntamente com tantas outras coisas que têm-se perdido ao longo dos últimos anos neste país e foi com uma sensação de tristeza que ontem me deitei, ao pensar naqueles tempos de criança, em que entrava numa tenda de circo e sentia a magia no ar, que contagiava tudo e todos, tornando aquela noite de espetáculo, especial. Agora essa magia perdeu-se e não foi porque eu cresci e deixei de ser uma criança, porque cá dentro, ainda há um bocadinho da menina que em tempos adorava ir ao circo ver os trapezistas e os palhaços. 

A única diferença é que hoje, o circo já não transmite a magia que em tempos transmitiu. E infelizmente, não fui só eu a partilhar desta opinião.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D