Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

24
Mar20

Ninguém (me) bate palmas

alex

A Amália Rodrigues diz que vivia das palmas. Só se sentia viva quando as ouvia, quando fechava os olhos e as sentia. O bater das palmas, o reconhecimento do talento, do trabalho de alguém. A necessidade que tinha em sentir que era apreciada.

Conheço esse sentimento. 

Ao inicio, tenho sempre imenso medo de pisar o palco. Fico nos bastidores, a observar, a tentar que as sombras me engulam de certa forma, a passar despercebida. Mas depois, os meus olhos caem sobre a audiência. Uma audiência que me parece interessante. Que talvez mereça conhecer-me. Conhecer a minha história. Então encho o peito de ar. Ponho um pé em frente ao outro e subo as escadas que dão para o palco. Tento não tropeçar e fazer figuras tristes. Chego ao palco. Liberto o ar preso nos meus pulmões.

As mãos tremem-me e a visão desfoca. Sinto um nó no estômago e um formigueiro nos lábios que me impedem de falar primeiro. Alguém na audiência sussurra algo. Eu oiço. Sou boa ouvinte, melhor ouvinte que falante. Ao inicio, sempre desconfiada, falo pouco. A audiência tem de puxar por mim e aos poucos, há medida que o tempo vai passando, vou relaxando. O palco começa a tornar-se num sítio confortável para estar. As luzes dos holofotes deixam de ser intimidantes e passam a ser convidativas, o calor que emanam aquecendo-me enquanto me vou deslocando pelo palco. Enquanto recito o meu texto. Enquanto dou a conhecer de mim à minha audiência. 

O espetáculo vai-se desenrolando e eu, cada vez mais solta, cada vez mais confortável, dou tudo de mim. A audiência ganhou a minha confiança e uma vez essa ganha, eu dou-me sem medos. Sem restrições. Já nem recito o texto, já improviso e tudo. Entre improvisos, risos, histórias, segredos e traumas, eu vou-me soltando cada vez mais e a audiência parece que se recolhe. Ou melhor, a audiência não me acompanha. Não dá mais do que aquilo que dava ao início. Para além disso, continua a pedir mais. Sempre mais. Dá pouco em retorno. Ao fim de uns bons meses de espetáculo, sempre em cima daquele palco, sempre com a mesma postura, sempre com a certeza de que estou a mostrar quem eu sou, como sou, a 100%...começo a perder alento. O que é um artista que não recebe palmas? Que não consegue conhecer a sua audiência?

Por várias vezes me sento à beira do palco, os meus pés longe de tocarem o chão onde a audiência se senta. Mas sento-me perto, para tentar chegar à minha audiência. Para sentir o calor dela, e não só o dos holofotes. Mas há muitas cadeiras vazias. Faltam as histórias que ficam por contar, os desabafos que não se dizem, os sentimentos que não se expressam. Levanto-me e volto para o centro do palco. Apercebo-me de que estou exausta. Exausta de estar em cima de um palco, onde ao inicio nem sequer queria estar. Mas aprendi a gostar. Contudo, gostar só não chega. Estar em cima do palco, com os holofotes virados para mim e eu a dar, a dar e a dar. E receber? Recebo pouco.

Ninguém me bate palmas. E finalmente percebo. A vida, as relações, não são como peças de teatro. Não posso estar em cima do palco sozinha, com uma audiência que não me dá nada. Faz-me andar em bicos dos pés, rever o meu texto, parar de improvisar e começar a pensar muito. Demais. Na arte, não se pensa, sente-se. Nas relações é igual. Chega. Não quero mais armar espetáculo.

Apagam-se os holofotes e o silêncio instaura-se. As mãos não me tremem como no início e o nó desenlaçou-se. Não tenho ar nos pulmões guardado para expelir. Limpo o suor da cara, mas se calhar são lágrimas. Talvez uma mistura de ambos. Bom espetáculo, sussurro para comigo. Mas agora está na hora de ir, de procurar quem te saiba bater palmas. De encontrar quem te encontre a meio caminho e não apenas quem se deixe ficar como audiência. Tempo de encontrar alguém capaz de subir a palco contigo e recitar texto. Improvisar. Ser. 

Viro costas à audiência sem olhar por cima do ombro uma única vez. Desço as escadas do palco que me levam de volta aos bastidores e retorno às sombras do mesmo.

Estou melhor assim. Aqui é certo que ninguém me baterá palmas, verdade, mas ao menos também não espero que alguém o faça.

Se nem Amália conseguia ser feliz sem palmas, quem sou eu para o conseguir?

13
Jun19

When They See Us

alex

Por norma não faço posts a recomendar séries, livros ou músicas... pela simples razão de que não tenho tempo (ou vontade) de ver séries novas ou de ler (apesar de continuar a comprar livros e a deixa-los na mesa de cabeceira). Este ano já vai a meio e eu lembro-me de ter começado o ano com a intenção de ver mais filmes, mais séries e ler mais, basicamente tentar voltar às minhas raízes, tentar voltar a encontrar a paixão pelas artes e a razão pela qual eu decidi estuda-las. Mas 6 meses passados e tal não aconteceu. Porque muita outra coisa aconteceu nestes 6 meses e essa vontade (não gosto de lhes chamar resoluções) ficou pelo caminho. 

Contudo, agora que as coisas estão um pouco mais calmas e antes de começar o rebuliço das mudanças, tenho andado a tentar ver séries e ler um bocadinho mais. Recentemente vi esta mini série na Netflix chamada "When They See Us" e a série tocou-me a um nível que eu não estava à espera. Para quem não saiba sobre o que é a série, resumidamente, é uma mini série de 4 episódios que acompanha a história de 5 rapazes que foram injustamente condenados de um crime que não cometeram. Acompanha-os desde o momento em que eles foram acusados, julgados e condenados quando eram apenas crianças, até ao momento em que eles são libertos e ilibados já nas suas vidas adultas. 

É uma história muito forte e emotiva e é uma história verídica. É triste saber que este tipo de coisas aconteciam e ainda acontecem hoje em dia, mas é deste tipo de histórias que as pessoas precisam de ouvir. É este tipo de conteúdo que precisamos, principalmente nos dias de hoje que, às vezes, parece que estamos a andar para trás em vez de para a frente, no que toca ao racismo e à descriminação.

Recomendo vivamente e sem dar spoilers, deixo o trailer da série e uma frase que gostei bastante, dita por uma das personagens secundárias da série.

"Happiness is something to look forward to."

 

 

22
Mai15

Saber reconhecer

alex

Eu podia escrever um livro só com as histórias que o meu patrão me conta.

A última teve direito a personificação de uma cigana que estava nas finanças com ele.

Foi daqueles momentos épicos na minha vida em que eu chorei de tanto rir. 

Se há dias em que não posso nem ver a porta desta loja pintada de ouro, há outros em que até nem é o pior lugar do mundo para se estar.

A vida é isto mesmo, verdade? Uns dias de merda e outros não tanto.

O importante é saber reconhecer os bons quando eles acontecem.

13
Mai15

Uma história de amor

alex

Vou-vos contar uma história de amor, daquelas muito mas mesmo muito românticas, em que as duas personagens principais não conseguem viver uma sem a outra durante muito tempo.

Então aqui vai:

Era uma vez uma menina de dez anos que brincava no parque com dois dos seus amigos. Era primavera, oh que bela eram as árvores dançando ao sabor do vento, os risos das crianças a brincar a única coisa mais bonita que essa dança.

A menina decide pendurar-se de cabeça para baixo nas escadas do escorrega - ela disse que queria ver o sangue subir-lhe à cabeça. E naquele momento, foi amor à primeira vista - PIMBAS!

A criança cai no chão e no processo racha o osso do tornozelo direito. 

Assim começa uma relação intemporal entre a rapariga e o(s) Chão(s).

A menina anda de muletas durante um mês, com direito a gesso e pé de meia elástico - mas quem diz que o amor dói não mente! O dela era bastante doloroso!

Uns anos depois, a menina já crescida, resolve matar saudades do seu primeiro amor - não vai de modas e desta vez, dá-lhe um abraço dos grandes! Vai de queixo ao chão e quase morre de ataque de pânico à pala disso.

É levada para o hospital, dão-lhe oxigénio porque para além do queixo esmurrado e a sangrar por tudo o que é sitio, ela estava com falta de ar - foi um encontro tão repentino e breve com o seu amor, que ela até deixou de saber fazer a mais básica das coisas, que é respirar, vejam só!

Desta vez não rachou nem partiu nada - o amor ainda dói.

Um ano depois desse incidente, a saudade bate outra vez. Na hora de almoço, lá vai ela ao Continente para comprar umas coisinhas quando, de repente, o amor chama-a e ela não vai de ignorar - PUMBA!

Torce o pé e dá um beijinho ao chão, o seu grande amor.

Ainda bem que ela guardou o pé de meia elástico estes anos todos! 

Não há amor como este. Dói tanto que eu até choro. Porquê?

PORQUE SOU EU. EU PASSO A VIDA NISTO. AGORA ESTOU AQUI QUE NEM POSSO COM DORES NO PÉ E PAREÇO UMA ANORMAL A ANDAR. ARRANJEM-ME UMA DAQUELAS BOLAS ENORMES DE PLÁSTICO PARA EU ME ENFIAR LÁ DENTRO SE FAZ FAVOR!

Peço desculpa pelo Caps Lock, mas era necessário. Este amor já me chateia. 

Quem diz que o amor dói e que não se escolhe quem se ama não podia estar mais certo.

Mas querido Chão, encontremos-nos só quando eu cair para a minha morte, pode ser? É que eu preciso dos meus membros inferiores (e superiores) para viver!

Assim não dá amor!

23
Abr15

Em dia de comemoração

alex

Hoje celebra-se o dia de um companheiro muito importante na minha vida - o livro. Desde pequena que sou uma apaixonada por livros e histórias. Quando ainda não sabia ler, os meus pais e a minha avó faziam questão de me encher os ouvidos de histórias maravilhosas. Nunca fui muito de histórias de princesas e príncipes, mesmo em pequena. Ainda me lembro de estar na cama com a minha avó, para dormir a sesta, e de ouvir a voz dela junto a mim a contar-me a história da Carochinha e do Capuchinho Vermelho - as minhas favoritas.

Acho que ouvi essas duas histórias umas milhentas vezes durante a minha infância e nunca me cansei delas - tanto que hoje tenho uma Carochinha tatuada no calcanhar, que apesar de estar relacionada com o meu avó, está também relacionada com a minha avó por esta mesma razão.

Quando aprendi a ler não queria outra coisa. Era isso e pintar - eram a minha terapia. Ora pedia um livro novo para ler, ora pedia um livro novo para pintar - era à vez. É terapêutico e quem não gosta ou não é propriamente fã de ler, não sabe o que perde.

Ler enriquece-nos de maneiras que todo o dinheiro do mundo nunca poderá igualar. É como se de uma máquina do tempo se tratasse e nos permitisse viajar no tempo e no espaço por entre mundos que não o nosso. 

Ultimamente tenho tido fases no que toca aos livros - ora leio muito ora leio muito pouco. Tenho de admitir que nos últimos meses não tenho lido tanto quanto gostaria, mas é difícil deixar-me envolver pelos mundos de outrem quando estou tão embebida e preocupada com o meu - concentrar-me não é tarefa fácil.

Mas já estou quase a terminar o Paper Towns de John Green e já tenho mais dois em vista para ler de seguida. Contudo, e levada a procurar tal coisa pela minha mãe, hoje deixo aqui uma proposta de leitura um bocadinho diferente do normal. Conjugando-se duas das minhas paixões antigas - ler e pintar - deixo aqui alguns títulos de livros que agora, ao que parece, andam muito aí nas bocas do mundo.

Tais livros são chamados de Arte terapia, porque são livros de colorir para adultos que dizem ser muito bons para aliviar o stress e a ansiedade (e todos nós sabemos como eu sofro desses dois).

Eu quero-os todos e hoje já fui ao Continente aqui do sítio comprar uma caixa de 36 lápis de cor. Agora é só ir à Fnac e trazer para casa o meu primeiro livro de colorir para adultos. E há quem possa achar isto descabido e uma autêntica desculpa para dar umas quantas gargalhadas, mas eu cá estou toda feliz após esta descoberta.

E que melhor dia senão este, o do livro, para dar a conhecer um tipo de livro diferente?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D