Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

15
Jan15

Imensamente furiosa

alex

Acho piada. Acho piada ao facto de, se eu tiver um dia menos bom e explodir, viram-se para mim e dizem: acalma-te que isso não é nada.

Ou seja, arrumam o problema e minimizam-o, só porque é meu. Só porque sou eu e não eles. Talvez isto seja culpa minha. Porque eu habituei todos os (poucos) que tenho comigo a "despejarem" em cima de mim os seus problemas. E a palavra está com aspas porque é óbvio que se uma pessoa que eu estimo está mal, eu vou querer saber porquê e tentar ajudar.

Mas quando sou eu, parece que as pessoas se esquecem que eu sou apenas como elas. Também tenho dias maus, como o de hoje em que só me apetecia arrancar cabelos (e não convém porque eu ando a deixar crescê-lo), em que só me apetecia gritar de tamanha frustração. Também tenho alturas em que preciso de alguém com quem explodir - não explodir em cima deles mas explodir, ou seja, dizer tudo o que me está a causar transtorno nesse dia mau e não ver tudo quanto digo menosprezado.

Mas se calhar a culpa é minha. Porque eu guardo muito para mim - quase tudo - e quando expludo, as pessoas não estão habituadas e não sabem como agir.

Mas por outro lado, não é isso instintivo? Quer dizer, pelo menos para mim é. Quando alguém me vem contar o seu dia e dizer que hoje aconteceu-lhe isto e que só queria era dar um tiro a alguém e que está mesmo muito chateado ou frustrado ou triste, o meu primeiro instinto é ajudar. Nunca menosprezar os problemas da pessoa, por muito mesquinhos ou estúpidos que possam parecer para mim; nunca passar a mão rapidamente pela cabeça e dizer: vá acalma-te lá que isso já passa.

Isso só me enerva ainda mais caraças.

Estou para aqui a pensar seriamente se a culpa é minha. Mas quanto mais penso, mais chego à conclusão de que a culpa é deles.

A culpa é daqueles que nunca foram nem são capazes de fazer algo mais por mim do que passar a mão pela cabeça e dizer tem calma. É deles a culpa de eu não me dar mais às pessoas. É deles a culpa de eu me fechar em copas e guardar tudo para mim.

Porque quando eu partilho, quando eu falo de forma a me fazer ouvir, é como se os meus sentimentos valessem zero.

E isso, para além de me deixar magoada, deixa-me furiosa.

Imensamente furiosa.

E sabem o pior? Sabem o que me deixa ainda mais do que imensamente furiosa?

É virarem-se para mim e dizerem: Olha que eu hoje também não estou melhor que tu. Aconteceu-me isto e isto e isto, já viste? Fogo, estou mesmo assim e assado!

Dá vontade de mandar ditos cujos para um sítio muito feio, não dá?

 

É nestas alturas que mais tenho saudades dele.

04
Jan15

Suficientemente boa

alex

Por vezes questiono-me se serei suficientemente boa - boa amiga, boa filha, boa empregada, boa pessoa.

Apresento-me como forte, determinada e certa de mim. Mas por vezes dou por mim a ser fraca, insegura, duvidosa.

Aparento ser corajosa e indestrutível. Mas às vezes sou medrosa e fácil de atingir.

Engulo muita palavra com medo do impacto que estas terão - em mim e nos outros. Sou como as garrafas de champanhe, cheias até acima e normal se fechada. Mas se me abanarem muito...ao abrir, expludo por todos os lados.

Por vezes questiono-me se serei suficientemente boa - boa amiga. Se digo mesmo tudo quanto o que devia, se faço mesmo tudo quanto podia ou se pelo contrário, guardo palavras com medo do que elas poderão desencadear e se me deixo ficar quieta com medo de que as minhas acções tragam dor desnecessária.

Por vezes questiono-me se serei suficientemente boa - boa filha. Se digo vezes o suficiente o quanto estou grata por ter os pais que tenho e o quanto gosto deles. Se arrumo o quarto todas as semanas ou se ajudo o suficiente com as tarefas de casa ou se pelo contrário não mostro muito a minha gratidão para com os meus progenitores, se deixo a roupa acumular-se em cima do pequeno sofá durante semanas, se deixo loiça por lavar e roupa por passar.

Por vezes questiono-me se serei suficientemente boa - boa empregada. Se chego sempre a horas e saio sempre à hora, se limpo o chão da loja dia sim dia não, se atendo bem os clientes ou se pelo contrário chego sempre atrasada (mesmo que não esteja lá ninguém para confirmar os meus atrasos), se saio sempre uns minutos mais cedo, se há dias em que não me apetece pegar na esfregona e limpar o que os outros sujaram e se por vezes o meu sorriso é demasiado frio para com os clientes.

Por vezes questiono-me se serei suficientemente boa - boa pessoa. Se sorrio aos velhotes que passam por mim na rua e lhes digo bom dia, se penso às vezes naqueles que têm menos do que eu, se me esforço por ser simpática e acessível ou se pelo contrário caminho com os lábios cerrados ignorando os que me rodeiam, se me fecho no meu mundo e deixo transparecer uma pessoa sisuda e arrogante.

Por vezes questiono-me se sou boa o suficiente.

Há dias em que chego à conclusão de que não o sou.

05
Dez14

Dias de cão

alex

Ontem tive um dia de cão. Não sei ao certo o porquê de lhe chamarem isto, visto que os cãezinhos têm uma vidinha muito boa quando têm bons donos e são bem tratados.

No entanto e porque esta expressão é usada para adjectivar dias que nos correm mal, passo a usá-la para descrever o dia de ontem.

Acho que já há muito tempo que não me sentia sobre tanta pressão e tão nervosa/ansiosa como ontem. Passo a explicar....

Tenho estado, estas últimas três semanas, em formação teórica para o call center de atendimento e apoio ao cliente no âmbito do gás. Esta semana tivemos oportunidade de pôr algumas coisas em prática, sempre com a ajuda de um colega mais experiente que se sentava o dia todo connosco ao nosso lado. Isto durante os três primeiros dias desta semana.

Ontem, fomos postos em frente a um telefone, um computador, deram-nos os nossos login's e começámos a atender. E digamos que prestar este tipo de ajuda que nós prestamos não é de todo fácil. Não temos de vender nada nem temos de "aturar" clientes que sejam explicitamente mal educados connosco (que nos chamem nomes, etc). No entanto, a pressão é muita. Cai chamada atrás de chamada, muitas vezes, temos mil e uma coisas para fazer em sistema enquanto que, ao mesmo tempo, temos de atender o telefone e ter em consideração que temos uma pessoa do outro lado da linha à espera que a informação que pediu lhe seja dada. Sendo novos, é normal que demoremos mais tempo do que os outros mais antigos. No entanto os clientes não sabem se nós só estamos ali a atender à 1 dia ou à 365. E muitas das vezes os clientes ficam de facto aborrecidos, isto se já não entrarem em linha bastante chateados porque lhes foi cortado o gás ou porque lhes foi cobrado um valor absurdo de factura (entre muitas outras situações).

Ora eu com os meus escassos 18 anos, sem nunca ter trabalhado muito menos em algo deste género, fui para lá mas a tremer por dentro que nem uma vara ao vento.

No entanto, durante o dia todo de ontem aguentei-me "á bomboca" e não vacilei apesar de, uma hora antes da minha hora de saída, ter tido uma enorme vontade de me levantar e gritar umas quantas profanidades. E digo apenas que houve lá uma, que já tendo trabalhado em call center e tendo o dobro da minha idade, teve de sair para ir à casa-de-banho acalmar e limpar as lágrimas

Eu só quando cheguei a casa é que rebentei num pranto de lágrimas tal que me assustei a mim própria. Já há muito tempo que não chorava daquela maneira.

Mas após muita conversa com os pais, acalmei, relaxei e hoje lá fui eu outra vez de mente aberta para tentar novamente visto que não sou das que gosta de desistir ou das que o faz facilmente.

Hoje correu melhor. Bem melhor. Mas ainda há muita coisa que faço errada e tenho plena noção disso. No entanto, estou no principio e quero acima de tudo manter-me ali porque até é um sítio agradável de se trabalhar - os colegas que já lá estavam são todos muito simpáticos e acessíveis, os supervisores tem dias mas não são nenhuns bichos e por incrível que pareça já criei ali umas quantas boas relações com colegas de quem gosto muito - enfim... acima de tudo não quero dar parte fraca.

Porque se há quem me conheça minimamente sabe que eu odeio mostrar fraqueza; odeio desistir de algo a meio.

Ontem o dia foi de cão... hoje já foi melhor. E hão-de haver mais dias de cão, certamente, pois esses todos os temos, mas até lá vou apenas aproveitar o facto de este fim-de-semana....ter TRÊS dias!

24
Nov14

Folgar a saudade

alex

Tenho saudades dos meus amigos. Saudades de me rir até me doer a barriga e não de me doer o coração com a falta de risos verdadeiros. Tenho saudades de chegar a casa e poder estar mais de 20 minutos com a minha irmã. Tenho saudades de poder ver as minhas séries favoritas. Tenho saudades de acordar sem aquela sensação de quem nem sequer chegou a dormir. Mas não me quero queixar. Ainda não. Acho que ainda não tenho esse direito.... E apesar de tudo continuo focada e empenhada no trabalho. Apesar das saudades, apesar da falta de tempo para mim, para os meus e para a minha almofada, não quero vacilar. Porque o pior ainda está para vir... E a saudade aperta mas eu vou folgando a gola lembrando-me constantemente do porquê de tudo isto.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D