Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

25
Nov19

Eu não me esqueço das letras

alex

Hoje trago uma música para partilhar com vocês. A Capicua é das poucas artistas portuguesas que eu escuto com atenção e frequência. Porque a sua arte fala comigo de uma forma que muitas outras não conseguem. Sendo eu tão das letras, e as letras tão minhas, tendo eu a relação que tenho com a escrita - extensa, complicada, de uma paixão que por vezes conduz ao ódio e de volta ao amor - não podia deixar de escrever um pouco sobre a música e sobre a frase que despertou em mim muitas emoções. Tristeza, revolta...mas acima de tudo esperança. 

Na escola, nunca gostei de matemática. As línguas e as letras foram sempre o meu refúgio, desde que tenho memória de ser gente. Tanto que, saí do meu país para ir estudar com mais cuidado esse mundo. Outra história essa... Mas a verdade é que, foi também durante essa altura que, não por querer mas por necessidade, me envolvi mais com o mundo dos números. O mundo dos negócios, o mundo do comércio. O mundo do trabalho. E devagar me fui apercebendo de que o mundo, apesar de não controlado por números, gira muito à volta deles.

E eu, de Escrita Criativa e Jornalismo, e eu com a minha colecção sempre crescente de livros a olhar-me de lado, deixei-me afundar nesse mundo dos números. Escrevia relatórios diários, semanais, mensais, onde tinha de justificar número X e número Y. Quantas pessoas gostaram disto, quantas compraram aquilo...Quantidade, quantidade, quantidade.

A qualidade não existe no mundo dos que jogam com números. E o amor à arte também não. Há claro que ser realista, os números precisam de nós tanto como nós precisamos deles. Mas...é um problema (não matemático) quando as coisas nas quais começamos a colocar valores, são aquelas cujo valor deveria ser indeterminável - aliás, não existir. Pior, quando a qualidade é baseada apenas em números, que ao final do dia, se eu fosse a fazer um dos meus relatórios que costumava fazer, não valem nada.

A era das tecnologias, dos Youtubers, dos influencers, dos likes...Tudo é liked. Menos o que não é. E o ser humano, no meio de tanto número, passa a ser tratado como um (número). Mas afinal, que valor tem um milhão de likes contra 100, quando o milhão é vazio de razão, paixão, amor por aquilo que se faz, respeito pelo próximo e tudo o de mais? Afinal, somos nós que atribuímos valor aos números, ou são os números que atribuem valor a nós? Ao que criamos? Ao que dizemos, ao que pensamos, ao que somos?

Somos só números? Hoje em dia eu diria que sim. Mas depois ouço músicas como a da capicua e penso... se é para sermos um número, então vamos ser mais um dos que não se deixam reger por eles. E tal pode soar hipócrita da minha parte, mas se é para ser um número, quero ser dos que não se esquecem das letras. 

Por alguma razão, nunca gostei de matemática.

"É ano após ano e os feitos são inúmeros

E eles esquecem as letras e andam só atrás dos números... Solene como a cada último mergulho

Eu rasguei a dor e o medo como papel de embrulho." - Capicua, 2019

 

31
Out19

Uma pessoa amada

alex

Eu vou saltando uns dias e vou mudando os temas que correspondem aos dias...bom, faço este desafio à minha maneira, pois não há outra. Este devia ter sido escrito ontem mas foi um dia de correrias, contudo, este era um que não queria saltar.

Uma pessoa amada. Eu amo poucos. E por vezes, até esses chego a questionar se amo. Contudo, acho que a pessoa que mais me custa a amar, desde que tenho memória, desde que sou gente...sou eu própria.

Amor próprio, penso eu, é o tipo de amor mais difícil de se conseguir. Amar os outros pode ser complicado e pode vir com muitas adversidades, mas amar-nos a nós próprios é das coisas mais difíceis que existem. Durante anos, enquanto crescia, odiava-me. Odiava o meu corpo, odiava a minha mente, odiava a minha personalidade. 

Quando era mais nova era rechonchuda. Depois era demasiado "maria-rapaz" (coloco este termo entre parêntesis porque não gosto dele e não o acho de todo correcto, mas, à falta de melhor descritivo, fica). Depois era demasiado feminina. Agora, demasiado butch. Era tímida, "pão sem sal", ansiosa, depressiva... a lista é interminável. Durante anos e anos travo esta luta que é a luta do amor próprio. Vem com a idade, dizia-me a maioria das pessoas a quem eu questionava o porquê de não me conseguir amar. Quando somos pequenos não temos o nosso cérebro totalmente desenvolvido, quando somos adolescentes somos atingidos por tudo quanto é julgamento dos outros que influencia o nosso, em relação a nós próprios, e quando chegamos à idade que tenho hoje...Bom, já aprendemos uma coisa ou outra mas continuamos a tentar. Eu continuo a tentar amar-me, contudo ultimamente, tenho falhado. 

A pessoa que mais devemos amar neste mundo, acima de tudo e de todos, acima do pai, da mãe, da avó, da pessoa com quem temos uma relação amorosa, do periquito e do cão...essa pessoa somos nós. Temos, cada vez mais, de saber amar-nos a nós próprios porque este mundo está cheio de pessoas que não gostam ou não vão gostar de nós. E essas pessoas, por norma, não têm problema em o dizer. Em apontar os nossos defeitos, em meter o dedo na ferida e fazer doer ainda mais. 

Como o fazer...isso é que é a parte mais complicada. Eu ainda estou a aprender. Mas tudo conta. Sabermos aceitar quem somos, da forma como somos, com os erros que cometemos e com os que ainda vamos cometer. Com o passado embaraçoso, com os pensamentos negativos, com a ansiedade nervosa ou com outro problema qualquer que tenhamos. Falo de mim, claro, mas para vocês. Porque o amor tem de começar e acabar em nós. Este mundo, cada vez mais, precisa de amor. Mas para o darmos, precisamos de o saber dar e receber de nós próprios. 

Não tenho uma solução mágica para tal. Como disse, todos os dias é algo com o qual ainda me batalho. Mas acho que me aceito muito mais hoje do que aceitava há 10 anos atrás. E se eu pudesse voltar atrás no tempo e dizer à menina de 13 anos que a amo muito, que ela é a minha pessoa mais amada, voltava e dizia-lhe.

Como tal, tenho também de dizer à jovem de 23 de hoje que a amo. Às vezes mais, outras vezes menos, outras vezes até mesmo não amando de todo mas tentando, sempre. Sou a minha pessoa amada.

25
Out19

Tens de ler (pois tenho)

alex

You have to read tía, disse-me ela. 

Percorro a minha biblioteca privada, livros que outrora comprei e li. Livros que, a certa altura da vida, me fizeram sentir, sonhar e desejar ser escritora. Olho-os e ressinto-os.

Se não fossem eles não tinha ido. Tinha ficado. Se não fossem eles, tinha arranjado uma paixão diferente, tinha optado por um caminho diferente. Se não fossem eles, não estaria onde estou hoje. Rodeada de livros, rodeada de palavras, contudo, sozinha. Isolada.

Se não fossem os malditos livros, as malditas histórias, as diabólicas palavras que me puxaram e cativaram de uma forma tão forte, que me fizeram sonhar, que me deram esperanças de um dia também eu poder contar a minha história ao mundo...

Olho para eles uma vez mais. Levanto-me da cama onde durmo, onde me sento, onde como, onde me perco, onde me afundo... levanto-me e aproximo-me deles. Uns cobertos de pó, outros acabados de chegar de Inglaterra, comprados ao longo dos últimos quatro anos, muitos deles nunca abertos, nunca lidos. Olho-os a todos, percorro as letras dos títulos de alguns com o meu dedo e fixo as capas fascinantes de outros. 

Se não fossem eles não tinha sonhado. Não tinha conhecido outros mundos. Outras formas de ser, de estar, de existir. Se não fossem eles não tinha sorrido e chorado e suspirado. Não me tinha inspirado e não tinha ganho coragem. Não tinha tomado decisões arriscadas ou aprendido o que é o mundo fora do meu mundo. Não me tinha apaixonado e não tinha aprendido a amar. 

Se não fossem eles, os livros, as palavras, as histórias que li ao longo da minha vida, não teria escrito eu os meus próprios livros, as minhas histórias, as minhas palavras. Não tinha encontrado um refúgio, tão grande, que por vezes me esqueço do quão precioso ele é. Não tinha ido e tinha ficado. Não tinha aprendido e vivido e experimentado. Os meus livros. As minhas histórias.

A minha paixão, que por vezes me dá alento, abrigo e, por vezes, me dá desgosto, raiva e frustração imensa. Afinal é isto que é o gostar de ler. O gostar de escrever. É ás vezes gostar tanto, amar tanto, que por vezes odiamos. Nos afastamos. Nos ressentimos.

You have to read tía.

Pois tenho querida. Pois tenho. 

16
Mai16

Eu sou a vela, o candelabro e o esqueiro

alex

Ser solteira no meio de casais não é fácil. 

Já estou solteira vai fazer dois anos e nunca foi coisa que me afectasse muito. Sou uma pessoa muito complexa, que poucos conseguem suportar, entender e respeitar. Conheço-me bem, sei quem sou, o que quero na vida e sou de ideias fixas, o que por vezes assusta um pouco as pessoas. E admito que sou um pouco fria com as pessoas ao início, quando ainda não as conheço. Foi assim que consegui (e que consigo) manter-me solteira até hoje. E nunca me fez espécie. Gostava de estar sozinha. Gostava de ser independente, de estar na minha, de não ter de partilhar a minha vida com ninguém. Mas ultimamente tenho mudado um pouco.

Viver com dois casais e sair com esses dois casais para o todo lado, fazer tudo com eles, sempre, sendo aquela que naturalmente se destaca na multidão como a bem dita da vela, começou a fazer-me espécie. E começou a deixar-me não triste mas, um pouco em baixo. Comecei a sentir aquela necessidade de ter alguém com quem partilhar a minha vida. O meu dia-a-dia. Alguém a quem possa chamar de amigo, alguém a quem possa ligar quando preciso de falar ou desabafar, alguém com quem possa ir passear nos meus dias de folga. Alguém a quem abraçar e trocar carinhos, alguém que me diga que gosta de mim pela mulher que sou. Comecei a sentir aquela necessidade de voltar a ter alguém do meu lado com quem partilhar um bocado de mim.

Ser a emplastra para todo o sítio onde vou não é fácil. Às vezes estamos todos a comer em algum sítio e a conta chega, é dividida pelos cinco e eu sou a única que não tem ninguém com quem dividir a minha parte da conta. Sou a única que, depois de já passar da 1h da manhã e de já termos visto o Love on Top (não julguem que isso é como se fosse um pedaço de casa em Londres para nós) volto para o meu quarto sozinha.

Ser a única solteira no meio de amigos casais é complicado e, naturalmente que com o tempo, começa a criar cada vez mais espécie na minha pessoa. Porque apesar de me dizer muito forte e independente, a verdade é que, no fundo, eu só quero o que toda a gente quer neste mundo: Amor.

01
Mai16

Longe de ti

alex

É assim que passo este dia da mãe. Longe de ti.

É só mais um dia no calendário de muitos. Outros tantos celebram-o a passear neste bonito dia de primavera, de braço dado com as suas progenitoras ou em casa a ver um filme sentados ao lado delas.

Eu passo-o aqui, neste pequeno quarto em Londres, na minha casa longe de casa, sozinha, a acabar trabalhos da universidade. Mas há quem nem sequer mãe tenha, digo eu antes de começar a lacrimejar.

Mas há quem tenha e não possa estar com ela. A dor sente-se na mesma. E hoje sinto-a mais do que nos outros dias, talvez porque está um dia de primavera lindo por aqui, o que é raro, e está toda a gente fora de casa a aproveitar e eu aqui estou, enfiada no quarto a reflectir na vida e a acabar trabalhos.

Não ia escrever nada aqui para ti hoje. Porque custa. Custa-me não poder acordar e ir à cozinha dar-te um beijinho a desejar-te feliz da mãe. Custa-me não ter ido ontem com o pai comprar uma prendinha para ti. Custa-me que estejas longe de mim e eu de ti.

Ultimamente tenho sentido muitas saudades. Não sei bem porquê. Não sei se porque me sinto só, rodeada de muita gente, ou se porque estou numa fase stressante ou se por outra razão qualquer. Mas a verdade é que por vezes me questiono como seria se eu não tivesse vindo para cá.

Hoje pus-me a pensar e a contar as ocasiões especiais que já perdi desde que vim para aqui. Os anos do pai, os teus anos, o Natal em família, os anos da avó, os almoços com os amigos, as tardes de domingo no sofá sem fazer nada, sem ter de limpar a casa ou lavar roupa ou limpar bolor das paredes ou fazer trabalhos da universidade.

Longe de ti a vida não é fácil. Fazias muito por mim. Ainda fazes. Mas quando estava perto, fazias as coisas que agora não podes. Como lavar a loiça, lavar-me a roupa, fazer-me o jantar de vez em quando. Coisas pequenas, mundanas. 

Coisas como dar-me abraços, dar-me beijinhos, chamar o meu nome, ralhares comigo por estar a chatear a mana, coisas simples. Mas com significado. E que me fazem falta. Estas fazem falta, não as que mencionei antes. Essas são apenas pequenos factos.

Mas é assim, longe de ti, que passo este dia da mãe. É nestes dias, nestas ocasiões especiais que me arrependo da minha decisão. Porque estou a perder muito. Estou a ganhar outro tanto, verdade, mas no processo perco.

Mas como me dizes sempre, sem perda não há ganhos e sem ganhos não há perdas. 

Longe de ti, ainda assim, te adoro. Adoro-te porque és uma mãe, não só mãe, mas amiga também, que me apoia incondicionalmente em conjunto com o pai, e que me ama como mais ninguém.

Longe de ti, te desejo um feliz dia da mãe.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D