Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

16
Fev14

Porque os actos falam mais alto que as palavras #1

alex

Quando me sentei na cadeira de plástico, ostentava o maior sorriso que os músculos da minha cara alguma vez permitiriam.  O sol ia alto no céu e este estava limpo, deixando o sol brilhar em todo o seu esplendor, aquecendo os meros mortais da Terra, talvez até de mais. Estava na hora do almoço e o meu estômago teimava em relembrar-me disso a cada segundo que passava sem ser alimentado. Esperei impacientemente pela minha refeição e quando ela chegou sorri abertamente (e novamente). Não sorri porque o meu prato de massas tinha finalmente chegado, mas sim porque quem o trazia era ele.

Ele sorriu em resposta, um sorriso que me fazia mais falta do que o que eu gostava de admitir (a ele e a mim própria). Sentou-se em frente a mim, como sempre fizera e começou a comer sem pronunciar uma palavra. Lentamente, o sorriso desapareceu dos meus lábios e ocupei-os com a refeição que tinha à minha frente (o prato de massas, atenção!) que já não parecia ter tão bom aspecto como eu inicialmente pensei.

Comemos em silêncio, trocando uns olhares aqui e ali. Verificava as horas no relógio a cada minuto insuportável que passava. Não era assim que tinha imaginado passar a minha tarde. Com ele. Finalmente, e porque não sou pessoa de esperar, quebrei o silêncio. Respirei fundo, pousei os talheres e falei.

-Posso provar esse hambúrguer?
-Mal tocaste nas tuas massas!
-Só queria saber.

-Saber o quê?
-O que raio leva esse hambúrguer que o torna tão bom ao ponto de te impedir de me dizeres uma palavra que seja durante uma hora. Captei a atenção dele por completo. Pousou o hambúrguer no prato e respondeu-me de forma acutilante.

-Bom, deve então ter algo que te falta a ti.
Sentia falta disto.

-Talvez um pouco de sal, ou até mesmo uma pitada de pimenta...
-Pimenta, sem dúvida. Falta-te pimenta na língua para não dizeres disparates.
Olhámo-nos durante uns segundos, com um ar sério. Fazíamos isto a toda a hora, noutros tempos. Arranjávamos assunto sobre o qual pudéssemos implicar um com o outro e depois fingíamos estar zangados, apenas para acabarmos a rir às gargalhadas, deixando tudo e todos a olhar para nós como se fossemos um par de lunáticos.

Quando decidimos parar de rir, doía-me a barriga. Vi-o limpar uma pequena lágrima do canto do olho e voltei ao ataque.

-Não chores, eu ainda não me vou embora! Mas só porque estas massas estão divinais e eu ainda tenho muitas no prato!
-Passaste esta última hora a pensar no que me havias de dizer em vez de comer as massas não foi?

Hesitei. Conhecia-me tão bem...

-Nunca desperdiçaria tanto tempo contigo!
-Então porque aceitas-te vir hoje?
A pergunta que pairava sobre mim durante as últimas 24 horas.

-Não sei. Porque estava com desejos de massa e não tinha dinheiro para vir aqui almoçar?

Ele riu-se. De mim e não do que eu disse.

-Admite. Tiveste saudades minhas.
-Nos teus sonhos.

-Nunca perderia uma noite bem dormida para sonhar contigo.

-Mas já perdeste várias para fazer outras coisas que não sonhar. Comigo.

Aquela calou-o e fê-lo mexer-se na cadeira, endireitando-se. Não disse nada, até que decidiu levantar-se.

-Ainda não acabei de comer. - Pousei de novo os talheres e olhei para ele com um ar frustrado. O olhar foi-me devolvido.

-Pois eu já.

Virou-me costas e eu deixei-me estar. Prometi a mim mesma que, acontecesse o que acontecesse naquele dia, não iria correr atrás dele. Essa história já estava a ficar velha.

Fiquei sentada e terminei a minha refeição. Ele tinha-a pago, eu estava com fome, mais valia desfrutar daquela delícia gratuita. Passado o que eu calculo terem sido uns vinte minutos, ele regressa sentando-se mais uma vez à minha frente.

-Ainda estás com fome? - Ergui as sobrancelhas para dar mais ênfase à minha pergunta.

-Não, obrigado. Voltei para te dizer que tu és impossível. Não sei como raio me fui apaixonar por ti. És irónica, gozona, implicativa e teimosa que nem uma mula.
-Casmurra que nem uma mula, queres tu dizer.

-Não me interrompas. És irritante, complicada, maluca e às vezes falas tanto e tão alto que a minha única vontade é enfiar-te uma rolha na boca.
-Podes tentar mas não te admires se não sobreviveres para contar essa história.

-És assim. E eu fui-me apaixonar por ti, sendo tu assim. Porquê?

-Isso pergunto-te eu a ti.
Ele recostou-se na cadeira e deixou sair um suspiro longo. O meu estômago estava às voltas e o meu coração batia sem parar. 
-Porque és assim. E não queres saber. Porque és irónica, gozona, teimosa e irritante e tens perfeita noção disso. E não estás nem aí para quem não gosta. Porque és também muito divertida, inteligente, do tipo de pessoa com quem podemos ter uma conversa sobre o último livro do Stephen King e no momento a seguir estar a ter uma conversa sobre café. És assim. És curiosa, anseias pela vida. Queres sempre mais quando já tens tanto, perguntas sempre mais quando já te dei tantas respostas. Interessas-te por coisas que não lembram a ninguém. Fazes colecção de moedas. Mas qual é a mulher que faz colecção de moedas?
-Ah agora já sou uma mulher, é isso? Ainda há uma semana atrás era uma mera rapariga, demasiado nova para saber ou perceber fosse o que fosse.

-És assim, estás a ver? Usas essa tua máscara de má, de rija, de frívola. Como se nada te afectasse, como se nada pudesse trespassar o teu coração e destroçá-lo quando eu sei que não é bem assim.

-Ao menos sabes o que fizeste. Ao menos isso.

Voltámos a cair no silêncio, apesar de ainda haver pessoas à nossa volta, que falavam sobre o tempo, sobre as suas relações amorosas, sobre o trabalho, os filhos, a escola…sobre a Vida.

Não aguentando mais, levantei-me. Pensei que o meu peito ia explodir ali naquele momento. Peguei na mala e dirigi-me à saída. Não olhei para trás para ver se ele me seguia, porque sabia que assim era.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D