Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

15
Jan15

Imensamente furiosa

alex

Acho piada. Acho piada ao facto de, se eu tiver um dia menos bom e explodir, viram-se para mim e dizem: acalma-te que isso não é nada.

Ou seja, arrumam o problema e minimizam-o, só porque é meu. Só porque sou eu e não eles. Talvez isto seja culpa minha. Porque eu habituei todos os (poucos) que tenho comigo a "despejarem" em cima de mim os seus problemas. E a palavra está com aspas porque é óbvio que se uma pessoa que eu estimo está mal, eu vou querer saber porquê e tentar ajudar.

Mas quando sou eu, parece que as pessoas se esquecem que eu sou apenas como elas. Também tenho dias maus, como o de hoje em que só me apetecia arrancar cabelos (e não convém porque eu ando a deixar crescê-lo), em que só me apetecia gritar de tamanha frustração. Também tenho alturas em que preciso de alguém com quem explodir - não explodir em cima deles mas explodir, ou seja, dizer tudo o que me está a causar transtorno nesse dia mau e não ver tudo quanto digo menosprezado.

Mas se calhar a culpa é minha. Porque eu guardo muito para mim - quase tudo - e quando expludo, as pessoas não estão habituadas e não sabem como agir.

Mas por outro lado, não é isso instintivo? Quer dizer, pelo menos para mim é. Quando alguém me vem contar o seu dia e dizer que hoje aconteceu-lhe isto e que só queria era dar um tiro a alguém e que está mesmo muito chateado ou frustrado ou triste, o meu primeiro instinto é ajudar. Nunca menosprezar os problemas da pessoa, por muito mesquinhos ou estúpidos que possam parecer para mim; nunca passar a mão rapidamente pela cabeça e dizer: vá acalma-te lá que isso já passa.

Isso só me enerva ainda mais caraças.

Estou para aqui a pensar seriamente se a culpa é minha. Mas quanto mais penso, mais chego à conclusão de que a culpa é deles.

A culpa é daqueles que nunca foram nem são capazes de fazer algo mais por mim do que passar a mão pela cabeça e dizer tem calma. É deles a culpa de eu não me dar mais às pessoas. É deles a culpa de eu me fechar em copas e guardar tudo para mim.

Porque quando eu partilho, quando eu falo de forma a me fazer ouvir, é como se os meus sentimentos valessem zero.

E isso, para além de me deixar magoada, deixa-me furiosa.

Imensamente furiosa.

E sabem o pior? Sabem o que me deixa ainda mais do que imensamente furiosa?

É virarem-se para mim e dizerem: Olha que eu hoje também não estou melhor que tu. Aconteceu-me isto e isto e isto, já viste? Fogo, estou mesmo assim e assado!

Dá vontade de mandar ditos cujos para um sítio muito feio, não dá?

 

É nestas alturas que mais tenho saudades dele.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D