Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

02
Jul14

Histórias inventadas por mim

alex

-Não sei o que vês em mim.

-Porquê? O que é que tu vês em ti?

Pondero na resposta; não é difícil.

-Vejo uma rapariga tagarela. De ideias fixas e bem definidas, que sabe defendê-las de unhas e dentes; que não arreda pé. Uma rapariga teimosa, por vezes irritante. Irónica, desbocada, de riso fácil, brincalhona às vezes até demais, por vezes maldosa; que gosta de provocar e mandar umas bocas. Que não sabe quando se calar e que não sabe não perdoar. Que não sabe dizer "não". Uma rapariga tímida quando se encontra com pessoas que não conhece; meia estranha e muito despassarada. Completamente maluca. Que não sabe o quê tu vês nela.

Ele sorri ligeiramente, as covas a surgirem nas suas bochechas. Ela pensou para consigo: Eu nem gosto de homens com covinhas; só no queixo. 

-Vejo exactamente a rapariga que tu me acabaste de descrever; e mais! Uma rapariga sorridente, brincalhona, bem-disposta e de convicções fortes. Uma rapariga que ilumina uma sala assim que entra, que faz notar a sua presença mas de uma maneira positiva e não de forma convencida, como se se achasse a dona do mundo. Uma rapariga com quem o tempo não tem tempo; com quem estás e nem dás por ele a passar. Uma rapariga que usa uma máscara para tentar esconder as suas peculiaridades, mas que brilha pelos buracos da mesma. Uma rapariga sincera, amiga, preocupada, carinhosa (quando quer)

Eu vejo-te a ti, assim. Estou a ver mal?

Ela solta uma gargalhada e rola os olhos. Que parvo.

-Tu precisas é de óculos...ofereço-te os meus!

-Não sou eu que preciso dos teus óculos; tu é que precisas dos meus olhos. 

Sem saber o que responder, nada disse. Permaneceram em silêncio e quando ela o olhou e viu aquele seu sorriso maroto nos lábios, com as malditas covinhas nas bochechas, teve uma vontade enorme de lhe dizer o quanto gostava dele. Mas a altura ainda não era a certa. Por isso, limitou-se a sorrir-lhe e a provar-lhe que estava certo em relação a ela, pelo menos numa das coisas. Espetou-lhe um murro num dos braços e ele retraiu-se de imediato, olhando para ela com cara de parvo.

-Para que foi isso?

-Eu sou carinhosa...quando quero. - Piscou-lhe o olho e caiu para trás, pousando a cabeça na areia fria, a rir qual maluca saída de um hospício, provando ao mesmo tempo a si mesma, que também ela estava certa em relação a si, pelo menos numa das coisas.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D