Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

23
Mar14

Conheces esta história?

alex

Sabes a história do Obélix e do Astérix? É algo deste género:

Eles iam os dois a passear na floresta e acabaram com um pedregulho enorme em cima deles. Mas, felizmente, o Obélix era forte o suficiente para levantar a pedra, porque quando era pequeno caiu num caldeirão com uma poção de força, que o fez ficar forte para a vida toda. O Astérix também ajudou, bebeu do seu cântaro com poção mágica e instantaneamente, ficou forte como um touro. Os dois, em conjunto, levantaram o pedregulho e saíram debaixo dele. Sem um arranhão, só um pouco doridos, porque ninguém sai completamente ileso depois de ter levado com um enorme pedregulho em cima. E depois de garantirem que o pedregulho não faria mais nenhuma vítima, continuaram o seu caminho, os dois lado a lado, assobiando em sinfonia com o cantar dos pássaros. No entanto, o Obélix carregou para sempre, aos seus ombros, o peso de um menir. E não era menos feliz por isso. Porque tinha o Astérix consigo. O seu grande amigo.

É esta a história do Obélix e do Astérix. E de certa forma, é a minha também. A nossa.

Perder-te foi como levar com um pedregulho enorme em cima. Ver-te nos braços de outra foi como se me tirassem a força que sempre tive, desde nascença. Permaneço debaixo deste pedregulho, na vã esperança de recuperar a força que tanto me caracteriza.

Porque eu não tenho um Astérix. Eu não tenho uma poção mágica. Eu não sou o Obélix. Eu sou eu e neste momento, estou a ser esmagada, cada vez mais, a cada dia que passa, pelo pedregulho que és tu.

Afundas-me, enterras-me cada vez mais fundo. Não és a pedra no meu sapato, és o pedragulho na minha vida. E eu quero ser como o Obélix e ter força para te erguer e para te atirar para bem longe, para depois poder continuar a caminhar, em frente, assobiando e feliz da vida.

Mas a cada dia que passa vou perdendo a esperança. A força. A vontade. A cada dia que passa quero que o pedregulho permaneça no sítio dele, em cima de mim, esmagando-me.

Cada dia que passa é mais o peso que exerces sobre mim. Dizem que fica mais fácil. Mentira.

Só fica mais difícil.

E o pior é que não me importo. O pior é que prefiro carregar este peso às costas, como o Obélix carrega o seu menir, em vez de me sentir leve.

Porque se me sentir leve, fico sem ti. E tudo é melhor que ficar sem ti.

Até ficar aqui, debaixo deste pedregulho, ou carregar com ele é melhor.

Conheces a história do Astérix e do Obélix?

É esta. É mais ou menos assim..

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D