Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

20
Out16

A crise dos 20

alex

Não sei se toda a gente passa por isto aos 20, mas é certo que toda a gente passa por isto.

Aquela altura da nossa vida em que olhamos para o futuro e vemos negro. Aquela altura em que estamos a meio de um curso e nos apercebemos que em nada este está a contribuir para a nossa formação. Aquela altura em que queremos baixar os braços, desistir da vida e tornar-nos Managers da Gap (esta última mais pessoal, obviamente...).

Porque pergunto-me, a cada dia que passa, se isto tudo vai valer a pena. Daqui a um ano, quando acabar o meu curso e subir ao palco para receber o diploma de fato vestido e chapéu na cabeça, será que vou sorrir de alívio ou de felicidade? Eu aposto em alívio. Alívio por finalmente ter feito a minha parte. Ter a consciência limpa e tranquila. Tirei um curso. Agora posso simplesmente continuar a minha vida como se nunca tivesse desperdiçado 3 anos dela. Acho que vai ser esse o meu pensamento. 

Já não sei por quem estou a fazer isto. Se pela menina de 15 anos que sonhava em publicar o seu livro, a jovem de 18 que não queria sobrecarregar os pais e então emigrou ou se pela sociedade que me diz, desde nova, que ter um curso é tudo. Agora já não há volta atrás. Recuso-me a desistir. Preferia morrer. Mas a vontade de continuar escasseia. O interesse também. A paciência então... e as dúvidas. Essas permanecem sempre e enterram-se e cravam-se cada vez mais fundo no meu peito. Os "ses" da vida, para mim, são como pequenos cortes que carrego por todo o meu corpo e que de vez em quando abrem e ardem e ardem para caraças. 

Com o passar do tempo as pessoas mudam. Meu deus, se mudam... ao olhar para trás, eu fui a que mudei mais. E os meus sonhos mudaram também. Os meus interesses também. E hoje já não sei. Não sei se continuo a ser eu, ou um eu pior ou um eu melhor ou simplesmente alguém. Alguém sem futuro, alguém sem sonhos, alguém sem vontade.

Principalmente alguém sem vontade.

Não tenho vontade. E quando me falta a vontade, falta-me tudo.

19
Abr16

Refresh

alex

A minha atenção tem andado desviada do blog já há bastante tempo. Não há desculpas para tal, apenas a vida. Vou trabalhar ainda mais daqui para a frente porque vou ser promovida a Sénior e ando a meios que a ser treinada para tal, de momento.

Tenho prazos da universidade para cumprir e um exame para o qual estudar. No meio disto tudo, tento ir ao ginásio e cozinhar refeições para não gastar tanto dinheiro em comida feita ao final do mês.

A vida assim se vai passando, e entretanto, já falta pouco mais de um mês para eu entrar na casa dos vinte. Estou um pouco que em negação em relação a esse acontecimento. Primeiro porque é 20. Aquele número redondo que não muda nada, mas que pronto, é diferente dos outros todos. Depois porque, nunca celebrei um aniversário longe dos meus. Não que eu dê muita importância aos aniversários, especialmente aos meus, mas é sempre de estranhar. O facto de este ano fazer anos a uma Terça-feira também não me dá muita vontade de celebrar seja o que for, verdade seja dita. Mas festejarei, que as migas com certeza que se vão encarregar de me obrigar a festejar.

Entretanto, decidi mudar o aspecto do blog, para ver se a vontade de postar mais frequentemente aparece. Bom, não é que a vontade não esteja cá, o problema é mesmo encontrar uma janela grande o suficiente para eu escrever por aqui, o que se torna difícil com tantas coisas que já tenho para escrever para outros lados.

Londres continua igual. Chuva num dia, sol no outro mas calor nem senti-lo. Muitos já andam de t-shirt e calções a apregoar que o Verão está a chegar. E eu, olhando-os com um sorriso meio triste, sentido pena destas alminhas que têm uma percepção muito triste do que é o Verão.

Coitados. E coitada de mim que agora vou também passar a ter uma percepção de Verão muito pobre. Enfim, problemas do segundo mundo, não é verdade?

Por agora vos deixo, pois tenho uma peça de teatro para ir acabar de escrever. 

Espero que gostem do refresh que o blog levou - simples e apropriado à estação (na minha opinião!)

15
Mar16

Chegará o dia

alex

A vida por aqui tem sido uma correria. Trabalhar 35 horas todas as semanas, escrever essays e fazer trabalhos de grupo para cada módulo que tenho, tentar não tropeçar no monte de roupa suja que tenho por lavar antes de fazer a mala para Portugal...

Não sei, sinceramente, como é que alguém leva este estilo de vida. Como é que alguém aguenta este ritmo de vida que não dá tempo para nada. Não há tempo para fazer refeições decentes, não há tempo para ter noites de sono decentes, não há tempo para ter um bocadinho de vida social ou para ter um dia em que me sinta aborrecida de não ter nada para fazer.

Os últimos dias aqui por terras de sua majestade têm sido dias solarengos, acreditem ou não. E a parte triste é que eu não os tenho conseguido aproveitar. Passo os meus dias ora enfiada naquele centro comercial, ora enfiada na uni nas aulas ou na biblioteca, ora em casa.

Este domingo que passou, fui trabalhar às sete da manhã e quando cheguei à universidade para fazer um trabalho, já eram duas da tarde, sentei-me um bocadinho à porta da biblioteca. Sentei-me naquele banco velho e meio podre, à espera da minha colega, e sentia o peso do mundo nos meus ombros. Com a correria toda, nem tinha tido tempo para sentir isso. O peso que carrego nos ombros. Sentada no banco, a receber um bocadinho de vitamina D, quase que deixei esse peso deitar-me completamente abaixo.

Com o sol a aquecer-me as pernas e a queimar-me a cara, o vento ainda frio a secar-me os lábios, quis desistir de tudo, apanhar um autocarro fosse para onde fosse e perder-me neste mundo. Quis levantar-me, dizer à minha colega que não ia fazer o trabalho, e ir embora. Para onde, não sabia. Não queria saber. Para qualquer sítio, qualquer lugar onde eu me pudesse sentar por cinco minutos e onde não sentisse o peso do mundo nos meus ombros.

Ás vezes é demasiado difícil. E por vezes, questiono-me se vai chegar o dia em que eu vou olhar para trás e dizer:

"Valeu a pena."

15
Fev16

And the award shall come to me if...

alex

Se eu conseguir sobreviver a esta semana sem:

- Chorar desalmadamente;

- Gritar com todas as pessoas que se aparecerem à minha frente;

- Arrancar cabelos (meus e dos outros);

- Mandar umas quantas pessoas a uns quantos sítios pouco simpáticos;

- Desistir da vida

Mereço um prémio.

Para a semana estás de férias Alexandra, para a semana estás de férias Alexandra, para a semana estás de férias....

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D