Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

17
Jun16

Estou mesmo a precisar

alex

Parto para Portugal já esta terça-feira. Vou apanhar um voo bem cedo, e se tudo correr bem, aterro em terras lusas por volta do meio dia e meia.

Vou durante duas semanas e mal posso esperar. As coisas ultimamente têm andado complicadas no trabalho. Se dantes tinha dias bons e maus, como em tudo na vida, desde há um mês para cá que têm sido maioritariamente só dias maus naquela loja.

A situação de sermos promovidas a Sénior ainda está pendente mas já estamos a desempenhar funções do cargo desde que nos disseram que íamos ser promovidas. Sublinhando que, nunca pedimos nada a ninguém muito menos para sermos promovidas, eu e a R. já estamos um bocado cansadas e frustradas de andarmos a ser escravas daquela gente e de não recebermos mais por isso.

Porque a realidade é essa. Eu cá só fiquei contente por me irem promover porque o meu ordenado ia aumentar. Porque de resto o cargo não me traz quaisquer benefícios a não ser, se calhar, um melhoramente do meu currículo. Tirando isso, ser Sénior ou algo superior a assistente naquela loja só traz é dores de cabeça, corpo e alma.

Como se isso já não bastasse, e não andássemos nós a sentirmo-nos usadas e gozadas por aquela gente, aconteceu uma situação peculiar numa das overnights que tem levantado problemas desnecessários para toda a gente. Foi uma situação tão caricata e infantil, tão ao nível dos dramas pelos quais passávamos quando andávamos no ensino básico, que nem vale a pena gastar o meu tempo a descrever a situação.

Digo apenas que senti-me, de facto, de volta ao 8º ano enquanto que, na realidade, trabalho com pessoas mais velhas do que eu. Se a idade contasse... mas não. Parece que os adultos, por vezes, adoram regredir e comportar-se como autênticos pré-adolescentes e naquela loja, isso é o que não falta.

Com isto tudo, a minha relação e a da R. com algumas pessoas e managers daquela loja esfriou e o ambiente andou de cortar à faca durante umas semanas. Só melhorou agora mais para o fim pelo simples facto de que eu fiz muito teatro nos meus tempos de escola e comecei a agir como se já estivesse tudo bem, quando na verdade só me apetece mandá-los à merda umas quantas vezes ao dia.

Enfim... estou mesmo a necessitar de uma pausa daquela gente e daquela loja, que me anda a comer o juízo e a saúde. Mas o meu problema é que já estou confortável ali. É um local de trabalho que fica tão bem situado, a 15 minutos de casa e a 10 da uni, dentro de um centro comercial onde se tem tudo e, apesar de ter tido alguns problemas com certas pessoas na loja ultimamente, adoro a maioria do pessoal com quem trabalho.

E já é um trabalho que eu conheço, ao qual eu sou boa e do qual até gosto (às vezes).

Só espero que depois de regressar os ânimos já tenham acalmado e que, finalmente, me passem o contrato de Sénior para as mãos, para eu assinar.

Caso contrário vou ter mesmo de considerar uma mudança.... Mas até lá, vou passar duas semanas no meu país, na minha casa, com a minha família e amigos.

Planeio ir muito à praia, ver se ganho uma corzinha porque isto de viver em Londres significa virar prima afastada do fantasma Casper, comer muito, coisa que não tenho andado a fazer como deve ser, dormir muito, divertir-me muito e simplesmente relaxar.

Duas semanas de puro lazer...bem que mereço. Se vocês soubessem da missa à metade, iriam concordar comigo com toda a certeza.

24
Mai16

Fora dos teen

alex

Neste preciso momento, sou expulsa da casa dos "teen" e entro na casa dos vinte.

Com 20 anos, não tenho carta de condução. Não tenho um namorado. Não tenho tardes passadas a bebericar cafés na esplanada nem noitadas na pista de dança da discoteca mais "in" do momento.

Com 20 anos não tenho a minha família ao meu lado, a soprar as velas comigo, pela primeira vez desde que nasci. Com 20 anos tenho uma casa cujo contracto de arrendamento está em meu nome (e de outras três pessoas). Com 20 anos tenho renda para pagar, contas para pagar, roupa para lavar e estender e passar, a casa por limpar.

Com 20 anos tenho o primeiro ano de universidade no curso de Escrita Criativa e Jornalismo feito. 

Com 20 anos tenho um emprego que me permite sustentar por completo.

Com 20 anos vivo sozinha em Londres.

Com 20 anos sinto-me igual a quando tinha dezanove. Continuo a ser a mesma criança que sempre fui e ao mesmo tempo, sou a adulta em que me tornei ao longo dos anos. Sei brincar, sei ser maluca, sei amuar e fazer birras, sei chorar ou resmungar porque a vida não corre como eu quero.

Mas também sei lidar com os meus problemas de cabeça erguida, sei arranjar soluções para certos problemas sem perder a calma, sei fazer coisas que muitos consideram coisas de adultos.

A verdade é que agora que estou oficialmente fora da casa dos "teen" não me sinto mais ou menos do que era. Do que sou. 

Com 20 anos continuo a ser eu. A Alexandra divertida, sarcástica, com mood swings regulares, amiga de quem demonstra merecer a minha amizade, simples, sonhadora, ambiciosa, responsável (na maior parte das vezes) e irresponsável, quando também o mereço ser.

Com 20 anos agora, a partir deste momento, sou a mesma de sempre. 

E só por isso mereço um valente PARABÉNS.

01
Abr16

Tuga Land

alex

Foi estranho. Voltar. Regressar. Foi como se os últimos 8 meses tivessem sido um sonho e eu tivesse ficado em Portugal este tempo todo.

Foi como se, no dia 6 de Agosto de 2015 eu tivesse adormecido, sonhando com a minha vida em Londres durante 8 meses e ter acordado no passado dia 23 de Março de 2016.

Foi uma semana que passou demasiado rápido. Andei de um lado para o outro, em casa deste, em casa daquele, a comer, a falar, a rir, a comer mais um bocado... Acho que engordei uns cinco quilos nesta semana que passei em terras lusas.

É sempre bom chegar a nossa casa, passado tanto tempo, e sentir que nada mudou. Principalmente, que as pessoas que por lá ficaram, permaneceram iguais e fieis a si.

É sempre bom não ter de me preocupar em ir trabalhar oito horas e ainda ter de fazer o jantar, lavar a roupa ou arrumar a casa. É sempre bom voltar a ser apenas uma jovem de 19 anos. É sempre bom voltar a ser apenas filha, irmã, neta, sobrinha e amiga.

Porque a verdade é que aqui, na minha vida em Londres, sou mais do que isso. Por vezes, até sou demais do que isso, se é que esta frase faz sentido gramaticalmente. Aqui não sou tanto uma jovem de 19 anos, não sou tanto filha, irmã, neta, sobrinha, amiga. Aqui sou mais adulta, mais presa, mais carrancuda, mais preocupada. Mais adulta.

Foi uma semaninha que deu para matar as saudades - das pessoas, dos sítios e da comida. Mas foi curta. Queria mais e assim queriam os que lá deixei, mais uma vez.

É sempre difícil dizer adeus. Mas não custou tanto como há oito meses atrás. Talvez porque agora tenho a minha vida aqui em Londres. Tenho uma casa para onde voltar, um emprego estável, a minha segunda família... na altura não tinha nada, vinha meio que desamparada da vida. Não tinha aqui nada que me aguardasse a não ser o desconhecido.

Agora não foi bem assim. Claro que doeu, dizer adeus mais uma vez à minha família. Mas não doeu assim tanto porque daqui a três meses já os vejo outra vez e até lá, a vida encarregar-se-à de me distrair, de me trazer novos desafios e novas coisas com que ocupar a cabeça e o tempo ... até ao próximo regresso a terras lusas.

 

 

IMG_20160323_180957.jpg

 

 

IMG_20160326_195301.jpg

 

 

IMG-20160329-WA0000.jpg

 

IMG-20160329-WA0002.jpg

 

 

 

 

 

 

 

21
Mar16

Tell the world i'm coming home

alex

Daqui a 48 horas, se tudo correr bem, estarei a aterrar em solo português.

Cada vez que penso nisso apetece-me chorar de felicidade. Este mês tem sido o mês mais dificil para mim desde que cá estou. Tenho estado doente, com febre, dores de corpo, cabeça, ouvidos, garganta, tenho trabalhado 35 horas todas as semanas e foi o mês mais atarefado na uni também.

Só me tem apetecido desistir. Largar tudo e fugir para bem longe. Tem sido o dia 23 de Março no meu calendário a dizer "GOING HOME!" que me tem dado forças. Que me tem feito levantar todos os dias de manha e sair porta fora para enfrentar mais um dia de cão. Isso e as minhas companheiras de guerra aqui em casa e na uni.

Nem me acredito. Acho que não vou dormir amanhã de tanta excitação e ansiedade. 

Vou para casa.

 

 

22
Jan16

Do caraças...

alex

Tenho andado cansada. Rabugenta. Sem paciência para nada nem ninguém. Na Terça-feira tive um dia de cão. Tudo correu mal. Recebi más notícias. Recebi o meu closet que acabou por não caber debaixo do meu beliche.

A C. e H. pegaram em mim e fomos ao sushi em Golders Green, o nosso restaurante favorito. Não me lembro de alguma fez me ter rido tanto como nessa noite. Doía-me a barriga de tanto rir. Nem consegui terminar a minha refeição porque não conseguia não rir durante 5 segundos.

Chegámos a casa perto das 21.00 e eu ainda tinha o roupeiro por montar - e já sabia que ele era demasiado grande para caber debaixo da cama. Voltei a entrar em modo depressivo, sem saber o que fazer. 

A C. e a H. pegaram nas instruções, nas peças e transformaram-me um roupeiro flop numas coisas jeitosas para arrumação, que cabem debaixo do meu beliche. Agora tenho espaço no meu roupeiro (que já cá tinha) e tenho sítio onde arrumar os sapatos, sem estarem à vista no meio do quarto.

Chorei. Chorei nessa noite porque não sei o que faria sem estas duas almas. Juro que não sei. Eu sei que a nossa família é a nossa família e os nossos amigos são os nossos amigos mas...estas raparigas tornaram-se na minha família no espaço de quase seis meses. 

Lembro-me de dizer isto de muita gente, ao longo de toda a minha vida. Mas isto é realmente diferente. Nunca tinha percebido muito bem quando a C., que já cá estava e falava comigo quando eu ainda estava em Portugal, me dizia que eles aqui eram a família uns dos outros e que era diferente daquelas coisas que nós tínhamos no secundário ou até no básico em que éramos todos como irmãos e irmãs. Nunca tinha percebido até muito recentemente. 

Eu moro com mais pessoas para além delas as duas e essas sim, são só amigas e pessoas com quem vivo. Mas a C. e a H. são a minha família aqui. Sempre fui má com palavras. Não falo dos meus sentimentos, não me expresso bem para com as pessoas e guardo muito daquilo que quero dizer para mim, especialmente se forem coisas assim deste género. Gratidão, amor, os sentimentos que devia exprimir e que guardo muito para mim. Mas tento ao máximo transmitir o quão agradecida sou, todos os dias, por as ter na minha vida, através de acções.

Acho que isso é o mais importante. Receber e dar.

Isto tudo a propósito do facto de que o facebook fez questão de lembrar que eu e a C. já nos conhecemos vai para cinco anos. Na altura, eu de chucha na boca e totós e ela com pó talco na cara, nunca sonharia que um dia acabaríamos juntas a viver em Londres.

Duas raparigas de uma cidadezinha em Lisboa, com 14 anos, ambas com tantos problemas existenciais naquela altura, cinco anos depois a viverem numa das cidades mais apregoadas do mundo.

A vida é do caraças, não é?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D