Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

23
Jan13

Ainda não

alex

Há aqueles momentos em que congelamos. Não por causa do intenso frio que se faz sentir; que nos queima a pele, que se entranha em nós, e nos gela dos pés à cabeça; que nos tira a vontade de sair da cama de manhã e sair para a dura realidade que nos espera, lá fora. Não, o frio, desta vez, não é o culpado. És tu. Tu com as tuas palavras afiadas; certas e no entanto, tão erradas. Que magoam, mas que curam, sem eu nunca saber. Palavras essas que imploro para que não digas, mas que tu fazes questão em dizê-las a alto e bom som. Palavras de amor, de compaixão, de preocupação, de amizade. Falas no teu tom de voz condescendente e ao mesmo tempo, meigo e sereno. Diriges-te a mim como nunca ninguém antes o fez. Com as tuas palavras fazes-me rir; com elas fazes-me chorar. Com elas fazes-me levitar, e eu vou subindo e subindo, até conseguir tocar o céu azul por cima de nós. Evito o teu olhar, mas tu procuras o meu. Encolho-me ao teu toque, apesar de o desejar. É instinto, não consigo mudar. Falas-me do passado e eu recordo; falas-me do presente e eu vivo-o. Falas-me sobre o futuro e eu sonho-o. E nesse sonho estamos nós. Naquele passado, recordo-nos. Neste presente, quero viver, contigo. Mas congelo. Congelo não com o frio do ar, mas com o frio das tuas últimas palavras para comigo. Não sinto as lágrimas deslizar pela minha face, pois estas congelam mesmo antes de conseguirem percorrer o seu caminho. Não consigo responder-te à letra porque no lugar da minha voz, só existe um vazio causado pelo frio, das tuas palavras. Quero estender a minha delicada mão e tocar ao de leve na tua. Quero olhar para os teus olhos cor de âmbar e dizer-te com todo o meu coração que te amo.

Mas congelo. Congelo porque é o meu instinto. Nem o calor da tua voz, ou a chama do teu olhar são capazes de derreter todo o gelo que se cria dentro de mim. Não há nada a fazer. É esperar que venha um dia solarengo, onde os raios de sol serão fortes o suficientes para descongelar o meu coração, por completo. E aí poderei dizer-te tudo aquilo que ainda não disse. Aí, nada em mim estará congelado; tudo em mim te será dado. Mas depois desse dia, não há como voltar atrás. Uma vez descongelada, para sempre amada, por ti, por mim...Uma vez ditas as palavras, não há como retirá-las. Por isso espera; não receies. O dia chegará. O dia em que o meu coração se derreterá por completo e será teu. Mas há momentos em que congelamos. E hoje, congelei. Lamento, mas os dias de sol ainda não chegaram. Aqueles tão fortes, capazes de derreter uma Antárctida inteira. Uma Alexandra inteira. Ainda não, ainda não...

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D