Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

26
Dez12

Não vou sonhar alto, senão a queda será grande (demais)


alex

Há cerca de um mês atrás inscrevi-me num concurso, do qual tomei conhecimento através da minha professora de literatura. Não sou uma rapariga de me inscrever em concursos ou coisas do género, porque nunca ganho. Nunca tive sorte, então deixei de tentar. Eu sei, eu sei. A esperança é sempre a última a morrer, desistir não é solução, etc...Por isso mesmo é que quando me deram a conhecer este concurso eu pensei: é perfeito para mim e se não ganhar, paciência, ao menos tentei.

É um concurso de poesia. Basicamente, quem quissese concorrer tinha de enviar até dois poemas, da nossa autoria. Tinhamos obrigatoriamente de enviá-los sob um pseudónimo e só podiamos enviar tudo até ao dia 30 de Novembro. Ainda faltam quase dois meses para se saber quem foi o vencedor, mas a cada dia que passa sonho com o prémio e com que o faria com ele caso ganhasse. Com 1000 euros e com a minha idade, faz-se muita coisa. Sim, é esse o primeiro e único prémio. Não era tão bom se eles viessem cá parar a casa? Oh se era! No entanto, e apesar de fantasiar com o "meu" Xperia acabadinho de comprar com algum do dinheiro do prémio, estou a tentar não ter muitas expetativas. Não sei quantas pessoas concorreram, mas sei que uma das minhas amigas mais chegadas concorreu e, apesar de não ter lido os seus poemas, sei que são bons. Aliás, para lá de bons, visto que a rapariga escreve muito, muito bem (mesmo!). 

Há uns dias que não consigo parar de pensar na felicidade que seria se eu ganhasse. Em como os 1000 euros dariam um jeitão, não só para comprar o telemóvel, porque o meu está a morrer na praia a cada dia que passa (já quase nem consigo ver o ecrã, devido aos cristais que estão partidos) mas também para guardar para emergências futuras, que eu sei que vão acontecer. Era tão bom...e como nunca ganhei nada na vida, seria muito bom. Mas enfim, deixarei de sonhar acordada com isto, porque é este o meu problema: eu sonho muito, iludo-me muito facilmente, crio expetativas como quem muda de cuecas e depois quando me atiram com um balde de água fria à cara e eu finalmente acordo para a realidade...a mesma dói como o caraças.

 

E aqui ficam os poemas, para quem quiser ler...

 

       

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D