Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

11
Nov19

Uma descoberta infantil

alex

Penso que todos nós temos aquele momento nas nossas vidas em que descobrimos que a magia do Natal é construída pelos adultos, pelo capitalismo e pela mentira. 

Lamento começar logo assim, de forma tão brusca, mas a verdade é esta. O Natal é, desde sempre, um feriado religioso, com história e significado para muitos. Contudo, não sei bem como, quando nem porquê, o Natal desenvolveu-se e tornou-se numa época em que nada parece importar mais do que os presentes que vamos dar - e mais ainda, os que vamos receber. É o pico do capitalismo e, admito que, nunca tinha pensado bem a fundo nisto - até trabalhar na área do retalho. 

Meu Deus. É tudo o que posso dizer, primeiramente, em relação à época do Natal no mundo do retalho, do capitalismo. Quando digo que já vi pessoas a lutarem por um bocado de tecido que custava 2 libras, não minto. Nunca ninguém acredita em mim, mas isso não faz com que não seja verdade. Claro que, para todos nós acredito eu, o Natal é muito mais do que isso. É o tempo passado em família, é os doces na mesa, os jogos de cartas e monopólio que perdemos para os nossos primos mais velhos e mais espertos ao jogo, é o calor da fogueira (se a tivermos) e o vapor das castanhas acabadas de descascar, no ar. Contudo, e não esquecendo, o Natal é muito o pico anual do capitalismo.

E acho que a maior descoberta infantil, que talvez alguns (talvez muitos) de vós partilhem comigo, é quando descobrimos que o Pai Natal não é real. MAS, e agora se calhar vou ser um pouco controversa, muitos dizem também não o ser o menino Jesus ou Deus (eu sendo uma delas). Portanto, a minha descoberta infantil não passa só por descobrir que, todos os anos, a minha avó levava os seus dois netos para um dos quartos, enquanto os nossos pais colocavam os presentes à volta da árvore, enquanto o meu pai fazia o seu "ho ho ho", o mesmo pelo qual hoje ainda é gozado (por mim) e que a mãe do meu primo tocava o sino enquanto a minha avó segurava em ambas as nossas pequenas e irrequietas mãos e dizia: Oiçam, oiçam! Chegou!!

A minha descoberta infantil passa também por descobrir que não existe um Deus. Pelo menos para mim. E cada um acredita naquilo que o valha. Religião não é algo sobre a qual eu escreva (ou fale) com frequência. Porque é um assunto muito delicado para muitos e as pessoas ofendem-se com facilidade. Eu sou da opinião que todos nós somos livres de acreditar naquilo que quisermos, em quem quisermos, incluindo sermos livres de não acreditar, ponto. Contudo, tendo crescido numa família semi-religiosa, nunca pus em causa a existência de um Deus ou de um Jesus. Até ao dia em que assim foi. Poucos dias depois do Natal em que descobri que o Pai Natal não existe. Aconteceu. E desde aí que não acredito. Não porque não quero, mas porque posso. Posso não acreditar. E posso escolher acreditar noutras coisas.

Que descoberta infantil mais adulta...

P.S. : Perdoem-me a irregularidade com que cumpro com este desafio. Mas, se há coisa na qual acredito ,é na dificuldade que eu tenho em me comprometer a sério e totalmente com algo que não os meus demónios. Os quais batalho ainda. Mas enfim, isto já são outros divagares...

06
Nov19

Uma música favorita (Skeletons)

alex

Perdi um pouco o fio à meada com este desafio. De um dia para o outro o blog ficou às escuras e eu, que adoro o escuro, estou completamente rendida. Boa Sapo Blogs!

Adiante... O meu gosto musical é muito variado e como tal as minhas músicas favoritas variam com o meu estado de espírito, com a altura do dia, com o momento pelo qual estou a passar na minha vida. Não tenho uma música que possa dizer: esta é que é a minha favorita de todos os tempos. Mas tenho artistas, cantores que gosto e que oiço sempre, isso sim. Vou sempre descobrindo novos músicos e houve um dia, que não sei bem como, me deparei com um músico digamos que underground, pouco conhecido mas que tem uma música pela qual me apaixonei. Talvez porque poderia ter sido eu a escreve-la, do tanto que reflecte o meu estado de alma, talvez porque simplesmente gosto de me deitar na cama, com as luzes apagadas, quando as minhas queridas insónias estão no seu auge, a ouvi-la. E a mesma traz-me conforto. Paz. Serenidade. Sozinha no escuro, oiço esta música e penso, sinto, que não estou assim tão sozinha. 

É esse o poder imenso da música. Das letras. Junta-nos, dá-nos companhia, alarga um pouco aquele nó gigante, e bem apertado, que temos na garganta e no peito. Por vezes conseguimos isolar-nos tanto, sentirmos-nos tão sozinhos, até mesmo quando estamos bem acompanhados e temos pessoas que nos amam connosco...até nesses instantes, por vezes, não somos capazes de nos sentir inteiros. De nos sentirmos cheios. A música para mim, é isso. É a minha companheira no isolamento, é a minha luz no escuro, é o meu calor no frio, é a minha vontade de continuar na falta da mesma.

A minha música favorita é a música. Mas esta é uma das.

 

03
Nov19

Um mundo de Jokers (?)

alex

Esta semana que passou, fui ao cinema ver o Joker. Um filme que foi muito falado ainda antes de chegar às salas de cinema, nem sempre pelas melhores razões. Muitos críticos saíram do filme a dizer que o mesmo poderia incentivar a violência e as revoltas. Foi um filme cujas críticas feitas podem ser comparadas às críticas que são, muitas vezes, feitas a vídeo jogos de natureza um pouco mais violenta. 

Não estava a planear escrever sobre o assunto, pois pode levar a muita discussão e é um tema de facto complicado sobre o qual escrever, pelo menos para mim. Mas após uma conversa longa com uma amiga sobre o assunto, senti que tinha de o fazer. No meu entender, este filme não tem cariz político, como muitos dizem, não incentiva à violência e não incentiva à revolta. Eu acho que o filme retrata, e muito bem, o que é viver com um distúrbio mental e como as pessoas que sofrem do mesmo são, por norma, tratadas pela sociedade em si. Eu acho que o foco é esse e se não é, deveria ser. O resto vem por acrescento.

A verdade é que os distúrbios mentais, ainda hoje, não são tratados como deviam ser. São muitas vezes descorados e arrebatados para o fim da lista de doenças com as quais nos preocupar ou às quais dar a devida atenção. Não é por falta de dados, números, estudos ou percentagens. É por falta de humanidade. Do mais básico dos básicos.

Humanidade.

Politiquices de lado, "mob mentality" de lado também, eu penso que este filme apela à humanidade das pessoas. Aqui temos, uma personagem, que no papel não passa disso, que sofre de problemas mentais graves e que é tratado abaixo de humano. Abaixo de tudo, muito sinceramente. E o Joker é apenas uma personagem, mas existem muitos Jokers reais, de carne osso, pelo mundo fora. Claro que nada desculpa o tirar de outras vidas. A violência. Mas é um facto que ninguém pode negar, o de que estas doenças são descuradas, muitas vezes mal diagnosticadas porque tudo é catalogado como uma ligeira ansiedade que passa se lhe passarmos uns anti-depressivos dose de cavalo; estas pessoas tratadas como o lixo da sociedade. 

Não acho que a intenção seja revoltar ninguém com este filme, com esta história. Não penso que a intenção seja a de incentivar a violência ou a de começar uma revolta política. A arte é subjectiva, pode ser interpretada de várias formas. Esta é só mais uma dessas instâncias. A minha interpretação, é esta. Temos de nos importar mais. Temos de ser mais humanos. Agora mais do que nunca, num momento da história do mundo em que tudo é razão para julgarmos, para atirarmos pedras. Nos dias de hoje, já não há debate, não há discussão. Há uma imensa agressividade que vem de todos os lados, cuspida em conversas que ao fim do dia têm apenas como objectivo ajudar aqueles que não precisam de ser ajudados. Num mundo onde queremos que seja o nosso ideal, o nosso partido político, a nossa vida o melhor, o maior, o mais importante.

E ao fim do dia, esquecemos-nos do que é realmente importante. As pessoas. Serem tratadas como tal. Como seres humanos. Somos tratados como peões de um imenso jogo de xadrez que só terá um fim, esse inevitável - a morte. 

Uma reflexão de quem viu o Joker com os olhos de um ser humano que sofre, também ela, de problemas mentais. Que pôs de parte os seus ideais, políticos, éticos, o que seja...e que viu representado no grande ecrã aquilo que a maioria teima em não querer ver.

Só precisamos todos de ser um bocadinho mais humanos. É só.

02
Nov19

A culpa é do meu signo

alex

Já cá faltava a gemeniana em mim a mudar o visual do blog, mais uma vez...enfim, quem me segue à algum tempo já se deve ter habituado. Acontece com alguma frequência, e também, não é para menos, pois já lá vão oito anos deste blog! 

Hoje não há desafio... o cansaço não me o permite. Não pensem que renovar o look do blog não leva tempo, paciência e energia! Gastei tudo nisso hoje. Mas amanhã é um novo dia...

02
Nov19

Mal posso esperar

alex

Passou-se o Halloween, que não me lembro de celebrar em pequena e em adulta, foram raras as vezes em que o fiz. Celebrei no primeiro ano que passei em Londres, e talvez dois anos depois outra vez e chegou. Não sou fã da festividade, apesar de gostar de filmes de terror e de doces. 

Adiante, chegamos a Novembro e daqui a um bocadinho estaremos no Natal. Ainda me lembro, de no ano passado, desejar com todas as forças que o Natal não viesse. Porque sabia como o iria passar - completamente sozinha. Eu não desejo o Natal que tive o ano passado a ninguém. Foi, sem dúvida, um dos momentos mais tristes e solitários da minha vida. Sentada no chão, a televisão a dar Friends, a comer restos de pizza do jantar de Natal da loja. Foi naquele momento que prometi a mim mesma que tal não voltava a acontecer. Foi naquele momento, que, por entre lágrimas de frustração, revolta e saudade, disse a mim mesma que o próximo Natal passava-o junto dos meus custasse o que custasse.

Há vezes em que paro para pensar por um bom bocado e é, de facto, incrível o quanto a nossa vida pode mudar em tão pouco tempo. Em como há um ano atrás estava numa posição e numa fase da minha vida completamente diferente daquela em que estou agora. Há um ano atrás estava exausta, deprimida, levantava-me todos os dias para ir trabalhar e a minha vida era consumida pelo mesmo, todos os dias. Andava maluca a planear a Black Friday da loja, provavelmente a não comer ou a dormir como deve ser. Agora estou repousada. Cansada, ainda, mas um cansaço diferente. Não acordo todos os dias com um objectivo certo ou com algo para fazer. Mas como três refeições por dia, todos os dias, durmo bem, dentro daquilo que dormir bem para uma pessoa que sofre de insónias consegue dormir, e apesar de não saber qual é o meu próximo passo, e apesar de as coisas não estarem muito famosas em termos de arranjar emprego... apesar de tudo isso, este Novembro não vou andar a desejar que não chegue Dezembro.

Pelo contrário. Este vai ser o primeiro Natal que passo em Portugal desde há cinco anos atrás, em que não me vou estar a preocupar com a loja, com a universidade, com a casa, com voos ou autocarros. Não vou chegar dia 24 e ir embora no dia 26. Não vou estar a passar o Natal com a família de uma amiga. Não vou estar sozinha.

Este vai ser o meu Natal. E o resto logo se vê. Mas por agora, mal posso esperar pelo Natal.

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D