Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

29
Jun13

I'm gonna enjoy life...for now.


alex

Fazer as malas é a parte menos divertida de se ir de férias.

Contudo, mal posso esperar para respirar o ar puro daquela terra, aproveitar o sol e ver se ganho alguma cor, dar uns mergulhos na piscina, porque na terrinha não há praia, ajudar a colher as cerejas que por agora já devem estar vermelhinhas e suculentas, caminhar e explorar aqueles terrenos que, na prática, são meus, mas que me são meus desconhecidos (na sua maioria). 

Aproveitar o tempo que tenho com a família, com os meus avós que já não caminham para novos, com os imensos primos e primas que tenho lá para cima, e dos quais metade não tenho conhecimento...no fundo, aproveitar estes dias de verão até ao dia 10. Devo regressar um dia antes ou no proprio dia, mas agora não quero pensar nisso. Não quero pensar nos "ses", não quero pensar de forma negativa.

Quero apenas aproveitar o que de melhor a vida tem para me dar.

"Sometimes, the small things are the best things in life. When you look back in your life you will see that the small things were in fact the big, awesome things.

Enjoy life."


P.S: Vou tentar aceder à internet, mas duvido que consiga. Contudo, pretendo deixar alguns post's escritos para ir postando enquanto estou fora.

São só 10 dias, por isso não devem haver post's todos os dias, mas isto não vai ficar às moscas! Quando regressar respondo a comentários!

Boas férias!

26
Jun13

Depois da tempestade vem a bonança


alex

Durante o fim-de-semana não tive, simplesmente e muito honestamente, vontade alguma para escrever.

No domingo à noite, antes de ir para a cama, lembrei-me de beber uma caneca de leite frio.

Pequenas escolhas que, mais tarde, se revelam muito importantes e algumas, trazem consigo consequências.

Dei por mim cheia de vontade de escrever na segunda-feira e ontem.

Mas não podia. Não conseguia.

Devido à caneca de leite. Não sei se digeri mal o liquido, se este atrapalhou a minha digestão que ainda não estava completa ou se pura e simplesmente, o meu organismo, de uma forma misteriosa, se tornou intolerante ao leite, o que eu não acredito.

Só sei que na segunda-feira de manhã despertei com uma dor de barriga horrível e uma indisposição ainda pior.

Não consegui comer, mal conseguia beber água e, poupando-vos aos detalhes, tudo o que tinha ingerido no dia anterior (incluído o leite) veio para fora. 

Estava tão indisposta que só o pensar em comida me era penoso. Como tal, não comi.

O meu último e crucial erro destes últimos dias.

Tudo isto resultou então numa rapariga mal disposta e fraca. À noite, ao tentar levantar-me da cama para a mesa da sala, tive, aquilo a que os médicos depois chamaram de, ataque hipovolêmico. Supostamente, é um ataque causado por falta de açúcar e nutrientes no sangue, por fraqueza, entre outras coisas. 

Foi horrível. Não conseguia ver, não conseguia ouvir. Não sentia as mãos nem os pés. Isto durou cerca de 15 minutos, mas pareceram-me uma eternidade. Pensei realmente que ia desta para melhor.

No entanto, o ataque parou, e fui para o hospital. Lá, estava eu num estado de dormência. Já nada me doía, mas como estava fraca, a simples tarefa de dizer o meu nome, custava-me. E o raio das médicas insistiam em fazer conversa comigo, perguntando-me em que curso andava eu e se eu gostava.

Ao fim de 1 hora, pensava eu estar já pronta para vir para casa, depois das analises feitas, e que revelaram aquilo que já sabia: a causa estava na falta de açúcar e nutrientes no sangue; no facto de eu não ter conseguido comer o dia todo e de ter vomitado, quando a enfermeira me dá um copo com água e a açúcar a beber e me diz:

"-Se não vomitares isso, podes ir para casa. Senão, vais ter que cá ficar a noite toda a soro".

Inicialmente senti-me bem. Mas depois aconteceu novamente. Senti-me em brasa, cheia de calor, a minha mãe diz que eu fiquei branca como cal, deixei de ouvir e ver, fazia-o a muito custo. Acabei por vomitar. Acabei por passar a noite toda no hospital a soro.

Não foi gastroenterite, não foi uma virose.

Foi pura burrice. Minha.

Preguei o maior susto a toda gente. A mim mesma, incluída.

Tudo porque, naquela madrugada de domingo, decidi beber a puta da caneca com leite, que se revelou de facto, como causadora desta grande trapalhada.

Felizmente, hoje estou como nova. Foi como se nada tivesse acontecido.

No hospital não podia ter sido melhor tratada. Eu e a minha mãe dormimos bem, a noite toda e as médicas e enfermeiras, tudo fizeram para me fazerem sentir bem.

Há 14 anos atrás, reza a lenda (segundo a minha mãe), passei exactamente pelo mesmo. Não tive uma virose, não foi uma gastroenterite. 

Simplesmente, com 3 anos, lá fui para o hospital com a minha mãe.

Só espero que daqui a 14 anos, o episódio não se repita. Foi a pior experiência da minha vida e eu ja tive vários ataques (de pânico, ansiedade, etc). Mas nada como isto. 

Mas, como diz o ditado, depois da tempestade vem a bonança. Hoje estou aqui mais forte que nunca (pudera, com mais de meio litro de dextrose a correr-me pelas veias!) e estou, não pronta para outra, mas pronta para retomar a minha vida.

Amanhã ainda vou ficar em casa a descansar, mas a partir de sexta retomo as minhas actividades. Vou passear, tomar ar fresco. No fim-de-semana faço tenções de ir à praia. Para a semana, provavelmente, vou viajar até ao Norte, onde ficarei em casa dos meus avós, a gozar os dias de sol que restam até ao dia 10.

A vida continua.

Planos são feitos.

Mas nunca me esqueço que, a vida é feita para ser vivida e não planeada.

Uma simples escolha, insignificante, pode pesar sob todo o nosso futuro e alterar a nossa vida (e os nossos planos).

Mas, depois da tempestade vem a bonança.

Espero eu...

21
Jun13

Welcome, at last!


alex

Que sejam bem-vindas as minhas tão merecidas férias! O verão também começa hoje oficialmente, mas parece que a praia vai ter de esperar uns dias para se poder deleitar com a minha presença...

Entretanto, os planos para desfrutar destas semanas (até ao dia 10 de Julho) já são muitos...a maioria deles incluem andar pela casa o dia todo de pijama e cabelo apanhado, ver um monte de séries que tenho andado a cobiçar durante o ano inteiro, ver muitos filmes, ler muito (muito!), escrever ainda mais, passear, ir ao cinema, comer bem e a horas certas, fazer desporto, sair com os amigos e família, entre muitos outros!

E nada como aproveitar o primeiro dia oficial do ínicio da minha estação favorita (que este ano está fraquinha, coitada) como ir almoçar com a avó e com o primo e depois ir fazer umas comprinhas rápidas ao centro comercial...

Que bela maneira de se começar as férias!

 

 

 

Os óculos que acabei por escolher.

O feedback tem sido bastante positivo!

20
Jun13

Como dizia o outro...


alex

"Prognósticos só no final do jogo."

Agora é esperar por dia 10 de Julho e ver o que sai dali.

Porque se eu me for para aqui a pôr com "Ah acho que até me correu bem...hum, aquela pergunta foi mais difícil e acho que errei...e....ah! Afinal correu tudo mal..." nunca mais saio daqui e dou em doida. 

Porque sou uma pessoa bastante pessimista (estou a tentar melhorar esse aspecto em mim, mas é um processo) e muito crítica em relação a mim mesma. Por isso, se me correu ou bem ou mal é muito relativo. Só deito os foguetes depois de chegar à escola no dia 10 e vir lá na pauta o meu 15 e o meu 16. Ou os meus 16.  O que não vai acontecer. Ai raios, lá estou eu! É incontrolável. 

Não é defeito, é feitio.

Agora só quero desfrutar destas semanas de férias (bem merecidas), ler muito porque a pilha de livros a ler foi aumentando ao longo do ano lectivo (apesar de ao todo e sim, isto é verdade, eu ter lido 8 livros bem chorudos para literatura e português, fora as peças de teatro completas no manual de literatura), ouvir música, enveredar pelo mundo da corrida ou jogging, como lhe quiserem chamar, ir à praia, estar com a família e os amigos e em Agosto talvez consiga passar duas semanas a dar aulas nas oficinas de verão aqui da casa da juventude (toca a fazer figas para que me chamem, que a coisa é paga e o dinheiro faz muita falta por estas bandas).

Quero apenas gozar os meus poucos 17 anos de vida e sorrir. Mas sorrir verdadeiramente.

Tenho saudades de sorrir com vontade, um sorriso livre de preocupações, stress e cansaço.

A todos aqueles que ainda têm exames por fazer, desejo boa sorte e força! 

18
Jun13

Exames, exames...


alex

Amanhã é o de literatura.

Perspetivas: más.

Nunca eu pensei que os exames de literatura fossem tão complicados. Pelo menos os que fiz como preparação para o de amanhã são díficeis como o raio.

E a minha professora a dizer que eram os exames mais fáceis de sempre?

ELA QUE O VÁ FAZER POR MIM!

Desculpem a minha revolta. Mas isto para quem sofre de ansiedade (com direito a medicação e tudo) não é um bicho de sete cabeças.

É mais como sermos empurrados por um abismo abaixo, sem fim, escuro e assustador. Não conseguimos ouvir o "banque" da nossa queda, porque morremos de susto pelo caminho.

E pronto é isto.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D