Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

13
Abr13

Como um colar de pérolas...

alex

O sol brilhava com tanta intensidade, que mesmo com os óculos de sol postos, não conseguia evitar semicerrar os olhos. No entanto, o calor que este transmitia e que me aquecia o corpo, era delicioso.

A minha cabeça estava pousada no seu colo e todo ele estava estendido ao longo da relva acabada de cortar. O parque estava deserto, à excepção de nós os dois e dos pássaros que voavam por cima de nós. Durante muito tempo, permanecemos em silêncio, não querendo arruinar aquele momento tão único e tão especial.

Senti que as palavras eram ali desnecessárias; o silêncio dizia tudo.

Ouviam-se apenas os pássaros no céu e o abanar suave das folhas das árvores, à passagem do vento. Ouviam-se também dois corações a bater vagarosamente.

O meu e o dele. O nosso.

Naquela tarde, éramos somente um. Um coração, um ser, um amor. 

É díficil pôr em palavras aquilo que apenas se consegue sentir com o coração. Mas naquele dia, a vida parecia-me perfeita. Infinita.

A certa altura, senti a sua mão a acariciar-me o cabelo e sorri. 

Tentada a olhar para cima para poder ver a sua face, não o fiz de imediato. Deixei-o brincar com os meus pequenos caracóis durante um bocado, e quando senti que ele se tinha então sentado, olhei para ele.

Aquela cara nada deixava transparecer. Não sabia se ele estava feliz, ou não, por estar ali comigo. Não sabia o que lhe ia na mente e muito menos no coração. Nunca fui capaz de o ler. 

"No que estás a pensar?"

Ele olhou para mim durante breves segundos e respondeu depois, enquanto fitava o rio que se encontrava a uma certa distância do sítio onde estávamos.

"Em ti. Em mim. Em nós...em como este momento é perfeito e no entanto, sinto que algo não está bem. Não completamente."

O meu estômago agitou-se e a minha garganta começou a secar. Não estava à espera daquela resposta. Sentei-me muito direita naquele chão que minutos antes se assemelhava a uma nuvem e que agora era tão duro quanto a calçada de um passeio.

"Não estou a entender..." A voz falhava-me. Tinha de me recompor.

"Não podemos continuar a esconder-nos."

"Não estamos escondidos" E não estávamos. Não propriamente. O parque era público. Poderia aparecer alguém a qualquer instante. Mas eu tinha-me certificado de que tal não iria acontecer.

"Não quero ter de mentir às pessoas que mais amo. Não quero ter de inventar desculpas de cada vez que quero ver-te ou estar contigo. Não quero ter de conduzir quilómetros e quilómetros até um parque deserto, só para ter a certeza de que ninguém me irá ver a passear à beira do rio de mão dada contigo ou deitado na relva junto de ti. Não quero ter de me esconder, mas acima de tudo, não quero esconder o quanto te amo. O quanto te quero e o quanto preciso de ti."

Sentia os olhos a arder, as lágrimas a assomarem-lhes e não era do vento quase inexistente. Ele insistia neste assunto. E eu...eu tentava evitar que o coração me saísse pela boca de cada vez que ele me olhava daquela forma e me dizia aquelas coisas, que no fundo, eu sabia serem a verdade nua e crua. Não era justo. Não é justo.

"Não podemos e tu sabes bem disso. Não podemos simplesmente aparecer de repente e agir como se fossemos um casal. Porque a verdade é que não o somos"

"Então o que somos?"

A derradeira pergunta, à qual eu não sabia responder. O que éramos nós? O que somos? Tudo, e ao mesmo tempo, nada. Que merda.

"Somos duas pessoas que gostam uma da outra. Que quando estão juntas, viajam para longe daqui, da realidade. Que esquecem tudo e todos à sua volta, e vivem como se fossem os únicos seres vivos à face da terra. Somos algo. Só não sei ao certo o quê..."

Senti-o a afastar-se, apesar de ele não ter mexido um único músculo.

"Não quero não saber. Quero poder falar de ti aos meus amigos e dizer: "A minha namorada é o ser humano mais real e bonito que existe à face da terra." Quero poder apresentar-te formalmente aos meus pais, apesar de eles já te conhecerem, ainda tu eras um mero feto na barriga da tua mãe. Quero poder falar contigo ao telemóvel e dizer-te "Amo-te" sem o medo constante de que alguém para além de ti oiça. Quero abraçar-te e beijar-te em público. Quero ser capaz de passear contigo, de conversar contigo, de sorrir contigo. Tudo, mas sem ter de o fazer às escondidas. Um amor como o nosso não se esconde. Mostra-se ao mundo, não para ser invejado, mas sim para servir de exemplo. Um amor como o nosso não pode ser um tesouro escondido, que se vai esquecendo há medida que o tempo passa. Não! Tem de ser como um pequeno colar de pérolas, um tesouro tão valioso e bonito, que queremos e podemos ostentar ao mundo."

Não sabia o que dizer. Parecia que me tinham arrancado a língua, mas ao passá-la pelos lábios secos, observei que ela ainda lá estava. Estava sem palavras, porque sabia que ele tinha toda a razão, mas não a podia dar.

Permaneci então calada. Ele também. Eu, sem saber o que dizer e ele, à espera que eu dissesse algo.

Passado o que me pareceu uma eternidade, ele levanta-se e começa a caminhar para longe de mim; e como tal, de nós.

"Espera! Onde vais?"

Ele pára a meio do seu percurso e olha para mim. A sua cara outrora morena e repleta de luz, estava agora pálida e as sombras do meu silêncio faziam-se notar nos seus lindos olhos. 

"Vou para o carro. Vou ligá-lo e vou esperar por ti. Se te sentares a meu lado até ao sol se pôr, assim que voltarmos para casa, vamos contar tudo a todos. Aos meus pais, aos teus, aos nossos amigos...ao vizinho e ao gato dele. À senhora da padaria e ao homem da mercearia. À D. Helena da loja dos doces e ao Sr.António da sapataria. À criança a brincar às escondidas na rua e à velhota sentada no banco de um jardim a alimentar os pombos.

Vamos encarar o mundo e mostrar-lhe de uma vez por todas o nosso amor. Porque julgo que se tiver de o esconder dentro de mim durante mais um segundo que seja, vou explodir. Vou explodir e aí, já não haverá volta a dar."

Continuou então a andar, deixando-me sozinha naquela tarde solarenga de Primavera.

O sol continuava no céu, mas já não brilhava. O vento, que dantes era apenas uma brisa suave e acariciante, fazia-se agora sentir com mais intensidade, trazendo consigo o frio. Um frio que me percorreu de alto a baixo, aquele frio que sentimos na espinha e que nos faz pele de galinha. O frio do coração.

Fiquei ali, incapaz de me mexer durante bastante tempo...quando as nuvens chegaram finalmente, encobrindo por completo o céu e o sol, decidi levantar-me e correr na direcção do carro. 

Tinha sido uma criança estúpida e cobarde. Porque tinha eu ficado tanto tempo a pensar sobre o que fazer, quando o meu coração me gritara muito antes de ele me ter posto entre a espada e a parede, que o mais certo a fazer era gritar aos sete ventos o quanto eu o amava?

Corri como nunca antes tinha corrido na vida. As minhas pernas fraquejaram no último metro, a minha respiração entrecortada secava-me a garganta e toda eu era suor. No entanto, não parei. O sol já não se via, mas talvez ele ainda lá estivesse.

Quando cheguei ao parque de estacionamento, não avistei o seu carro ou a ele. Tinha portanto, perdido a minha oportunidade.

O sol tinha-se posto e ele tinha partido. Talvez para sempre.

Olhei uma última vez para o céu coberto de nuvens e deixei as lágrimas correrem livremente pela minha face. Tinha estragado tudo.

Sobressaltei-me quando senti algo a limpar a lágrima que escorria pela minha face, em direcção ao meu queixo. Baixei o olhar e...lá estava ele.

"Até mesmo nos dias mais cinzentos, o sol se faz notar." Sorriu e apontou para trás de mim. Olhei e lá estavam os últimos vestígios do sol daquela maravilhosa tarde primaveril. Um pôr de sol subtil e que poucos notariam. Mas ele reparou e não virou costas até ao último raio de sol se tornar invisível ao olho humano. 

Voltei a encará-lo e senti tudo a desaparecer. As dores musculares da corrida, a secura da garganta e o buraco que se tinha começado a formar no lugar do meu coração.

"Vamos para casa. Vamos mostrar ao mundo o nosso colar de pérolas. Porque ele é um tesouro que merece estar exposto. Intocável pelos outros, mas do seu conhecimento. Porque o nosso amor merece ser tratado como uma bonita e rara peça de arte, em exposição num dos museus mais importantes do mundo: a vida. Não apenas a minha ou a tua, ou até mesmo a nossa. Mas a deles também. A deles que até agora, tem sido privada do privilégio que é apreciar uma obra de arte como é este nosso colar de pérolas.

O nosso amor."

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D