Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

19
Dez13

Lucky girl

alex

Sou tão sortuda.

Incrível como em apenas um ano, tanto mudou. Sou uma pessoa totalmente diferente daquela que era exactamente neste momento, à um ano atrás. Neste momento à um ano atrás, era uma criança egoísta, cega, que não queria saber de nada nem de ninguém. Tinha tudo mas não dava valor. Tinha tudo e desvalorizava. Foram tempos negros, tão negros...talvez os mais negros de toda a minha vida. Não acho que tenha falado disso aqui, mas foi a pior altura da minha vida. Foi a altura da minha vida em que me perdi por completo. Não queria saber de nada nem de ninguém. Nem de mim. Não me importava com nada. Perdi-me. Tive de bater com a cabeça no fundo, com força, para abrir os olhos e aperceber-me do quão sortuda era e sou. 

Nunca senti tanto nojo de mim como no inicio deste ano. Nunca eu tive tanta vergonha de mim e das minhas acções como no inicio deste ano. O dia 31 de Dezembro de 2012 foi o dia que mudou a minha vida por completo, talvez para sempre. Nesse dia bati no fundo, mas não me afundei. Ergui-me e custou. Nunca nada me custou tanto como erguer-me depois de uma queda tão grande. Durante meses ali fiquei estendida no chão duro e frio a recuperar forças para me levantar. Durante esse tempo, desprezei-me como nunca me desprezei antes. Sentia nojo da pessoa em que me tinha tornado e sabia que não podia continuar a ser essa pessoa. Então mudei. Ergui-me. Custou muito, e fi-lo praticamente sozinha, mas fi-lo. E tal conduziu-me a este momento, ao agora.

O momento em que me sento nesta cadeira, a sorrir, com o coração cheio e com a plena consciência de que, apesar de todas as dificuldades que ainda hoje me acompanham e apesar de ainda ter muitas lutas para lutar, sou uma pessoa muito sortuda. Continuo a ter tudo o que tinha à um ano atrás, mas hoje reconhece-o e dou-lhe valor. Acima de tudo dou valor a mim mesma, coisa que antes não dava. E eu queixo-me, é verdade. Mas se o faço é porque às vezes também tenho razões para isso. Mas no entanto não deixo que me isso me consuma como deixava à um ano atrás. Queixo-me, choro, zango-me e no dia seguinte levanto-me com a esperança de que dias melhores virão. Não desisto. Não baixo os braços e desisto de mim, dos que estão à minha volta, do mundo, como fiz antes. Recuso-me, depois de tanto trabalho que tive para me recuperar, voltar a perder-me. 

Não sou perfeita. Ainda tenho muitas arestas em mim para limar. Mas tenho noção de que hoje sou uma pessoa melhor. Larguei todo o peso morto que carregava às costas, larguei os maus hábitos dos quais me fiz vítima, cortei relações com pessoas que eram as nuvens negras sobre a minha cabeça. Rodiei-me de luz, de pessoas que me permitem ser eu, que não pedem nada de mim sem ser exactamente isso: que seja eu, sempre e independentemente de. Aprendi a dar mais valor às pessoas, ao que tenho e apesar de me queixar, não trato com desdém e indiferença todas as coisas boas que tenho na minha vida, pessoas incluídas.

Hoje estou e sou uma pessoa completamente diferente.

Sou uma sortuda; isso sempre fui. Não foi isso que mudou.

O que mudou foi o facto de ter começado a reconhecer isso e a dar valor a tal. O ano de 2013 foi um dos melhores da minha vida, apesar de ter tido muita coisa de má. 

Recuperei-me, voltei a ser eu, e passei a dar valor a pessoas a quem vale a pena, passei a reconhecer aquilo que tenho de bom na minha vida e escolhi não afundar-me por tudo aquilo que tenho de mau. 

Este ano foi diferente do ano 2012 porque este ano, durante TODO o ano, fui eu. 

E tudo o que desejo para o ano de 2014 é só isso: Quero permanecer eu. Rodeada pelas pessoas que hoje tenho comigo, e venham as tempestades que vierem, há algo que nunca vai sucumbir aos ventos fortes e grosseiros, à chuva cortante e aos relâmpagos assustadores: Eu.

Permanecerei eu, porque sei o que é perder-me e é a pior coisa deste mundo. 

Dizem que perder quem amamos é horrível e não o nego. Mas acreditem quando vos digo que não há maior perda do que perdermo-nos a nós próprios.

E por isso, hoje, sou uma sortuda do caraças.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D