Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

Refresh

A minha atenção tem andado desviada do blog já há bastante tempo. Não há desculpas para tal, apenas a vida. Vou trabalhar ainda mais daqui para a frente porque vou ser promovida a Sénior e ando a meios que a ser treinada para tal, de momento.

Tenho prazos da universidade para cumprir e um exame para o qual estudar. No meio disto tudo, tento ir ao ginásio e cozinhar refeições para não gastar tanto dinheiro em comida feita ao final do mês.

A vida assim se vai passando, e entretanto, já falta pouco mais de um mês para eu entrar na casa dos vinte. Estou um pouco que em negação em relação a esse acontecimento. Primeiro porque é 20. Aquele número redondo que não muda nada, mas que pronto, é diferente dos outros todos. Depois porque, nunca celebrei um aniversário longe dos meus. Não que eu dê muita importância aos aniversários, especialmente aos meus, mas é sempre de estranhar. O facto de este ano fazer anos a uma Terça-feira também não me dá muita vontade de celebrar seja o que for, verdade seja dita. Mas festejarei, que as migas com certeza que se vão encarregar de me obrigar a festejar.

Entretanto, decidi mudar o aspecto do blog, para ver se a vontade de postar mais frequentemente aparece. Bom, não é que a vontade não esteja cá, o problema é mesmo encontrar uma janela grande o suficiente para eu escrever por aqui, o que se torna difícil com tantas coisas que já tenho para escrever para outros lados.

Londres continua igual. Chuva num dia, sol no outro mas calor nem senti-lo. Muitos já andam de t-shirt e calções a apregoar que o Verão está a chegar. E eu, olhando-os com um sorriso meio triste, sentido pena destas alminhas que têm uma percepção muito triste do que é o Verão.

Coitados. E coitada de mim que agora vou também passar a ter uma percepção de Verão muito pobre. Enfim, problemas do segundo mundo, não é verdade?

Por agora vos deixo, pois tenho uma peça de teatro para ir acabar de escrever. 

Espero que gostem do refresh que o blog levou - simples e apropriado à estação (na minha opinião!)

Estas coisas perdem-se?

Tenho de escrever um máximo de 2000 palavras, sobre o que eu quiser, tendo de no entanto ser uma demonstração explícita das minhas capacidades no âmbito da escrita criativa.

Ora, o trabalho tem de ser escrito em inglês - sem problema, até porque a maioria das histórias que escrevo são em inglês.

Ainda não obtive resposta por parte da minha advisor se o que eles pretendem é algo do género de um conto.

No entanto, tenho de enviar o trabalho para ela até dia 15 de Março. Não querendo deixar para a última, digamos que estou aqui um bocadinho sem saber o que fazer.

Primeiro, tenho um monte de ideias a flutuarem-me na cabeça, mas não as consigo fazer assentar tempo suficiente para me focar numa e escrever.

Já escrevi uma coisinha, mas ao reler, achei que era demasiado triste - ultimamente tenho andando inclinada para a escrita depressiva, em vez da escrita criativa.

Tempo para me sentar e pôr a minha alma nisto é o que não me falta - o meu trabalho felizmente assim o permite.

No entanto, vejo-me perante uma página de Word em branco, sem saber ao certo o que fazer.

Será que perdi a prática no que toca a fazer trabalhos escritos deste género?

*Levando as mãos à cabeça*

Não me gramam!

Estou a pensar seriamente em virar Amish. Não consigo trabalhar com este computador. Estas novas tecnologias dão cabo de mim. Se eu não parar por aqui durante um ou dois dias, ou talvez mais (façam figas para que tal não aconteça!) não se admirem. É que eu não consigo escrever um texto completo, que o computador desliga-se. Sozinho, sem ninguém lhe fazer nada. Já pesquisei por vírus e nada. Eu não sei o que se passa. Mas só durante a tarde de hoje esta engenhoca deve ter-se ido abaixo umas 20 vezes. Isto não é nada animador.

Por isso perdoem-me já em avanço se eu não conseguir vir aqui falar-vos. É que o Magalhães da minha irmã também não está em muito melhor estado, tendo em conta que aquilo é mais lento que uma tartaruga alentejana (piada de mau gosto, eu sei).

Enquanto escrevia isto à velocidade da luz, com medo que esta porcaria se fosse abaixo, apercebi-me de que eu devo mesmo ter sido Amish numa outra vida. 

Eu não tenho sorte ao amor, nem ao jogo, mas nem com as tecnologias!? Eu vivo bem solteira e pobre, agora sem um computador minimamente funcionável? Isso nunca!

 

(Estou a brincar obviamente, eu posso viver sem ele, não posso é ficar muito tempo sem vir aqui escrever. Começa-me a dar comichões.)