Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

Dar valor ao que é nosso

Fazia-o pouco. Desde que sai de Portugal e vim viver para Inglaterra, acho que a minha veia patriota veio muito ao de cima. Eu vou aqui admitir uma coisa que nunca admiti a ninguém: eu achava que não gostava do meu país.

Para mim Portugal era um beco sem saída. Talvez porque, a certa altura da vida, vivi com o meu pai a entrar e a sair do desemprego e quando ele finalmente assentou, foi a vez da minha mãe (que até hoje ainda se encontra desempregada). Para mim a nossa música nunca era das melhores. Ouvia-se, de vez em quando, se passasse na radio. Para mim, havia sempre sítios mais bonitos e mais interessantes para explorar, fora de Portugal. Para mim havia sempre filmes melhores, livros melhores e séries melhores do que aqueles feitos e escritos e produzidos por portugueses.

Ao olhar para trás, só gostava de poder dar um par de estaladas à criança que pensava assim. Hoje sei, sem sombra de dúvida alguma, que o meu país é o mais bonito, o mais bondoso, o mais quente, o mais talentoso. Hoje sei que, apesar de todos os defeitos do meus país, são as suas qualidades que fazem dele o que é. Até morar noutro país que não o meu, não pensava assim, o que me entristece. Mas agora sei dar valor ao que é meu. Talvez porque já não é tanto meu como quando lá vivia. 

Hoje em dia dou por mim a pesquisar sítios para passar férias no meu país. Dou por mim a ver séries da RTP1 e novelas da TVI. Dou comigo a ouvir, de livre e espontânea vontade, cantores portugueses. A alegria que é quando vamos no carro e sou eu que posso escolher a música! No outro dia andávamos a passear de carro às tantas da madrugada a ouvir a Como Ela é Bela do Agir. É uma música muito bonita gente. Mas não só. Amanhã tou Melhor dos Capitão Fausto tem sido o mais tocado no meu telemóvel. E basicamente todas a músicas deles. Acho que é daquelas coisas que, só quem está fora do país, é que entende. Queremos manter-nos ligados à nossa terra o máximo que conseguirmos. Porque às vezes temos medo. Medo de perder aquilo que é nosso. A nossa língua, a nossa cultura, as nossas raízes. 

Temos de dar mais valor aquilo que é nosso. E eu acho que ultimamente, não sou só eu que o ando a fazer. A Eurovisão está ai à porta e, muito sinceramente, nunca pensei estar tão entusiasmada como estou. Quando vi o Salvador cantar Amar Pelos Dois pela primeira vez, não gostei. Sou sincera. Não me encantou. Mas lá está, temos de dar valor ao que é nosso. Então fui ouvir e ver outra vez. E mais uma e mais outra. E agora não consigo olhar para o rapaz a actuar e dizer que ele não tem talento. Que ele não é a escolha acertada. Porque ele tem talento e porque penso que mais ninguém poderia ir representar-nos este ano, tão bem, como eu sei que o Salvador fará.

Ultimamente tenho andado bastante em baixo com isto de ser emigrante. Ando a reconsiderar e a ponderar muito sobre a minha vida. Mas sabem o que me faz mesmo muito feliz ao final do dia?

Saber que o meu país é Portugal. E vergonha de dizer de onde sou? Nunca a tenho. Jamais. Porque tenho orgulho de ser portuguesa, muito mesmo. Aqui em casa, depois de já termos vivido alguns anos em Inglaterra, todas nós chegámos à mesma conclusão: Portugal é um país único. E é nosso.

Temos de dar mais valor ao que é nosso. Eu vou votar no Salvador. Votem também.

2 comentários

Comentar post