Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Something New

porque sempre que se fecha uma porta, abre-se uma janela

Something New

As crianças são as mais honestas

Ontem, estava eu muito bem a começar o meu shift das 18h às 22h e meteram-me nos provadores. Vem de lá uma familia de brasileiros que me ouvem a falar em português para uma colega minha (que também é portuguesa) e perguntam-me se eu sou portuguesa e o meu nome e, por fim, pedem-me ajuda.

Lá os ajudo (o marido precisava de um par de calças num certo número) e enquanto o marido experimenta as calças e a mulher vai à caixa pagar as outras coisas, chega-se a filha deles ao pé de mim e começa a fazer perguntas sobre o que eu estava a fazer (a marcar saldos para depois pôr no shop floor). Eu lá lhe expliquei que estava a fazer o scan dos preços para saber quanto estava reduzido e depois a marcar então o preço de saldo. Ela muito fascinada continua a fazer-me perguntas e às tantas vira-se para mim e diz-me assim:

"Sabe, quando eu te vi a entrar naquela porta dos funcionários, eu pensei para mim que quando eu for grande eu quero ser como você!"

E eu perguntei-lhe muito admirada: "Porque dizes isso???"

E a menina responde-me: "Porque você é muito bonita e eu quero ser assim quando for grande."

Quase que chorei. Melhor do que receber um elogio de um homem ou de uma mulher, não há nada melhor do que ouvir palavras destas quando estamos a começar a desesperar com o trabalho que ainda temos pela frente.

Fez o meu dia, a minha semana, o meu mês, aquela menina da idade da minha irmã dizer-me aquilo assim com um sorriso nos lábios. Sempre ouvi dizer que as crianças são as mais honestas e, realmente, ela não disse aquilo com segundas intenções, o que muitas vezes acontece no que toca a nós, adultos.

Pode parecer uma coisa superficial para muitas pessoas, mas para mim é algo que me aquece o coração, saber que uma pequena de dez anos sonha um dia vir a ser parecida com a minha pessoa, que muito sinceramente, não tem nada de especial nela.

Não me considero nada por aí e além, mas admito sem pudor nem problema algum que me soube bem ouvir a pequena dizer-me aquilo.

São as pequenas coisas, e neste caso, literalmente (visto que a menina não era muito grande).

1 comentário

Comentar post